O Blockchain tem sido apontado como a resposta para praticamente todas as questões transacionais que o mundo vem enfrentando atualmente – desde o processamento de pagamentos e rastreamento da cadeia de suprimentos até identidades digitais e proteção de direitos autorais. Mas também tem sido acusado por detratores de ser nada mais do que um banco de dados complicado e caro. Argumentam que uma vez que se retire da equação o hype associado com Blockchain e suas origens nas criptomoedas, o que sobra nada mais é do que um banco de dados sofisticado, mas lento.

Segundo esses detratores, muitos dos supostos atributos do Blockchain podem ser realizados com tecnologia convencional, testada e comprovada.

De fato, os bancos de dados têm atendido aos mesmos casos de uso listados acima para o Blockchain, há décadas. Eles registram quanto dinheiro há em uma conta bancária, quando a carga chega a um destino e também armazenam as identidades dos usuários corporativos, permitindo acesso a aplicativos comerciais e dados confidenciais. Da mesma forma, já existem algoritmos de hashing, assinaturas digitais e infraestrutura de chave pública (PKI) disponíveis para uso. Se você precisar de uma trilha de auditoria rastreável e verificada, poderá salvar suas transações em um banco de dados e, em seguida, assinar digitalmente os dados, armazená-los e armazená-los.

A grande diferença é que o Blockchain tem todos esses recursos em um só lugar e joga bem com os outros.

“Há valor no Blockchain em si como uma versão única, distribuída e independentemente verificável, da verdade compartilhada entre múltiplas entidades – onde nenhuma entidade está no controle e todas as entidades têm acesso igual e controle igual”, diz Avivah Litan, vice-presidente do Gartner.

“Também é verdade que você pode obter tecnologia não-Blockchain para suportar basicamente a mesma coisa – uma versão única distribuída independentemente verificável da verdade compartilhada entre múltiplas entidades. Mas, essas funções não são incorporadas na tecnologia como são no Blockchain”, acrescenta Litan.

Realmente, os bancos de dados tradicionais e o Blockchain são infraestruturas de armazenamento e gerenciamento de dados, explicou Frank Xiong, vice-presidente de desenvolvimento de Blockchain da Oracle. No entanto, se várias partes de negócios precisarem realizar transações, elas podem não necessariamente confiar em um único proprietário do banco de dados, que cria, atualiza e mantém todos os registros.

“A maior diferença é o ledger distribuído. Nós distribuímos bancos de dados, mas a maioria deles é de propriedade de empresas individuais … onde eles têm bancos de dados distribuídos para diferentes propósitos”, disse Xiong.

“A tecnologia Blockchain … é a tecnologia preferida para criar registros de transações imutáveis ​​e mantê-los nos ledgers distribuídos, dos quais todas as partes da cadeia têm uma cópia idêntica e podem [ter] acesso a ela”, continua Xiong. “Enquanto isso, o Blockchain realiza capacidades de imutabilidade, segurança, privacidade e auditoria para todas as partes da cadeia”

Para o vice-presidente de tecnologias de Blockchain da IBM, Jerry Cuomo, a diferença fica mais clara se pensarmos em bancos de dados como pássaros, e o Blockchain como sendo outro tipo de ave, já que tem o mesmo “DNA”. (A IBM está entre um grande número de fornecedores de software e serviços, incluindo Microsoft, Oracle, SAP e Amazon Web Services, que oferecem Blockchain como um serviço para seus clientes.)

Falando na conferência Think da IBM, em São Francisco, no mês passado, Cuomo descreveu o DLT como semelhante a um banco de dados, mas com características únicas não exibidas por eles. Por exemplo, diferentemente dos bancos de dados, os Blockchains têm registros compartilhados, algoritmos de consenso, contratos inteligentes e imutabilidade de dados nativos – eles são escritos uma vez, anexam muitos registros eletrônicos.

Ao contrário de um administrador de banco de dados, que tem acesso a comandos como “atualizar” e “excluir” que podem alterar registros no razão, uma vez que uma transação tenha sido confirmada em uma rede blockchain, sua comunidade de administradores não pode alterá-la. Cada bloco (ou registro) é protegido criptograficamente para o bloco anterior no livro, o que cria uma trilha de auditoria perfeita.

“Ao contrário do banco de dados que tem um único administrador que estabelece as regras para o livro, um blockchain … tem vários administradores, cada um com uma cópia exata do livro”, disse Cuomo.

Em um banco de dados, o administrador controla quais dados são compartilhados entre os usuários e, quando uma transação é enviada, ela é imediatamente confirmada no ledger.

Quando usar um Blockchain em vez de um banco de dados

Para Martha Bennett, analista principal da Forrester, as empresas devem pensar muito bem antes de optar pelo Blockchain, porque os sistemas distribuídos sempre adicionam sobrecarga, e muitos dos algoritmos e técnicas ainda estão engatinhando.

Segundo ele, existem duas questões-chave para uma empresa ao considerar o Blockchain:

  1. O ecossistema (ou o iniciador da rede de contabilidade distribuída) ter uma boa razão para não querer compartilhar dados através de um único sistema controlado centralmente.
  2. A empresa querer abordar casos de uso envolvendo processos automatizados que atravessam fronteiras corporativas e / ou alavancam o potencial de tokenização. (A tokenização é a representação digital de uma mercadoria, como dinheiro ou bens físicos).

A tecnologia de Blockchain brilha quando várias organizações estão envolvidas, de acordo com Joel Weight, COO da Medici Ventures. (A Medici Ventures, braço de capital de risco da Overstock.com, vem investindo pesadamente em tecnologia Blockchain, incluindo dezenas de novas empresas. Há cinco anos, a Overstock.com começou a aceitar o bitcoin como forma de pagamento).

“Meu banco não precisa de um Blockchain para rastrear o saldo da minha conta corrente ou para transferir fundos da minha conta corrente para minha conta poupança”, disse Weight. “Nesse caso, o banco está apenas transferindo dinheiro de um bolso para outro, atividade para a qual que um banco de dados rápido e seguro é perfeitamente adequado.”

O Blockchain pode ser útil é quando duas organizações têm uma visão proprietária do mundo, cada uma armazenada em seus próprios bancos de dados. Para compartilhar esses dados, há um custo envolvido para garantir que a visão de cada empresa dos dados seja a mesma ou garantir que ambas as partes realmente tenham os ativos que esperam trocar, explicou Weight.

Por exemplo, se em vez de usar serviços de custódia ou seguir um protocolo caro e lento, todas as partes trabalhem com os mesmos dados, os custos para normalizar os dados e a confiança são minimizados. A tentativa de fazer isso com um banco de dados exigiria que uma empresa fosse a proprietária de todos os dados – e a fonte de “verdade” para todos os envolvidos na transação.

Gastos devem atingir US$ 12,4 bilhões até 2022

Embora muitas empresas ainda confundam as diferenças entre Blockchain e bancos de dados tradicionais, o DLT cresce rapidamente nos próximos anos, à medida que as empresas vão além dos programas pilotos.

Ao todo, os gastos coma tecnologia devem aumentar 88,7% em 2019, em relação aos US$ 1,5 bilhão gastos em 2018, de acordo com o Worldwide Blockchain Spending Forecast produzido pela International Data Corporation (IDC).

Ainda de acordo com dados do relatório da IDC, a maior fatia dos gastos mundiais em novas redes de Blockchain – quase US$ 2,9 bilhões este ano – virá do setor financeiro. Serviços bancários, de títulos e investimentos e de seguros investirão mais de US$ 1,1 bilhão na tecnologia. A tecnologia será usada principalmente para permitir pagamentos e acordos transnacionais (US$ 453 milhões), além de acordos de financiamento de comércio e de transação pós-negociação (US$ 285 milhões).

A previsão dos analistas da empresa é a de que os gastos com Blockchain cresçam rapidamente até 2022, com uma taxa de crescimento anual composta de 76%, atingindo US$ 12,4 bilhões. Os EUA gastarão mais com a tecnologia do que qualquer outra região do mundo (US$ 1,1 bilhão), seguido pela Europa Ocidental (US$ 674 milhões) e China (US$ 319 milhões). Das regiões restantes, o Japão e o Canadá liderarão o grupo com uma taxa de crescimento anual de 110% e 90%, respectivamente, em cinco anos.

Do ponto de vista tecnológico, os serviços de TI e os serviços de negócios (combinados) serão responsáveis ​​por quase 70% de todos os gastos com blockchain em 2019.
Já os investimentos em Blockchain pela comunidade de manufatura serão principalmente no rastreamento da procedência de produtos e no gerenciamento de mercadorias, enquanto o gerenciamento de identidades verá investimentos significativos dos setores bancário, governamental e de provedores de serviços de saúde.

No mês passado, uma pesquisa da KPMG com C-levels de empresas de tecnologia mostrou que a maioria acredita que Blockchain mudará a forma de fazer negócios. Mais de 40% deles planejam lançar Blockchain durante os próximos três anos.

“Em muitos casos de uso, a incorporação do blockchain ao mix tem sido melhor que o status quo”, afirmou a IDC em comunicado. Com as empresas tentando encontrar um equilíbrio entre a descentralização de seus processos de negócios, enquanto trazem padrões comuns para o Blockchain, o futuro dependerá da colaboração e da construção de pontes entre organizações e comunidades.

“O Blockchain está amadurecendo rapidamente. É por isso que os dados sobre o gasto real com a tecnologia são tão vitais: fornecem o contexto no qual Blockchain está sendo aplicado. Entender como e onde as empresas estão investindo seu dinheiro dá aos fornecedores uma noção melhor de onde eles precisam fornecer produtos e serviços, além de oferecer aos compradores de tecnologia uma visão de como seus pares estão adotando o Blockchain. Ele também fornece um quadro de onde podemos esperar que essa nova tecnologia disruptiva de software corporativo é entregue”, disse James Wester, diretor de pesquisa da Worldwide Blockchain Strategies.

Fonte: CIO.

Entre em contato conosco