Para Veritas, estratégia multicloud deve ser acompanhada de backup

A era da multicloud chegou e com ela a preocupação sobre como manter a privacidade e a integridade dos dados que estão em CEPs completamente diferentes. A questão ganhou ainda mais força depois de tantos vazamentos, como o que aconteceu com o Facebook e mais recentemente com o serviço de nuvem Mega.

Para apimentar ainda mais a discussão, passaram a vigorar tanto a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que tem objetivo de aumentar a privacidade de dados pessoais e o poder das entidades reguladoras para fiscalizar organizações no Brasil, quanto o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês), que busca criar parâmetros para as leis de privacidade de dados de todos os cidadãos europeus.

Scott Genereux, vice-presidente-executivo de Worldwide Field Operations da Veritas (foto), alertou em entrevista à Computerworld Brasil que as empresas precisam ficar atentas não só aos temas privacidade e integridade na nuvem, como também com o backup. “Quando levam dados para a nuvem, empresas têm a percepção de que não precisam de backup, pois o provedor cuidará de tudo”, observou ele. Mas a realidade é bem diferente. É preciso, recomendou, criar uma rotina de backups também na nuvem.

O cenário pode parecer desafiador quando uma companhia conta com diferentes clouds, mas Genereux relatou que é possível superar o desafio com a ajuda do software e da estratégia de software defined storage (SDS), que move dados entre nuvens e facilita o trabalho.

“No caso da Veritas, nosso software além de mover dados entre nuvens, faz com que as empresas fiquem compliance, pois a tecnologia mostra onde está a informação e quem foi a última pessoa a acessá-la”, explicou o executivo.

Estudo global da Veritas endossa a questão ao identificar que 86% dos entrevistados estão preocupados com o tema. Quase 20% dos respondentes do levantamento relataram temer que a não conformidade possa colocá-los fora do negócio. Além disso, quase um terço (32%) dos entrevistados teme que a tecnologia atual não consiga gerenciar seus dados de forma eficaz, o que pode dificultar a capacidade de pesquisar, descobrir e revisar dados – todos os critérios essenciais para a conformidade. “Compliance é uma necessidade premente das empresas e urgente”, finalizou o executivo.

A Future é parceira Veritas e pode auxiliar sua empresa em suas estratégias de backup e multicloud! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: ComputerWorld.

Read More

Veritas lança nova versão do NetBackup com uma experiência de usuário simplificada

A Veritas Technologies, empresa especializada em proteção de dados empresariais, lançou hoje o Veritas NetBackup 8.1.2 com uma interface de usuário aprimorada que simplifica a forma como os funcionários em uma organização podem proteger dados e cargas de trabalho modernas sem esforço.

O novo Veritas NetBackup 8.1.2 fornece aos clientes a melhor tecnologia de proteção de dados do mercado e a experiência aprimorada do usuário projetada pelo líder indiscutível em participação de mercado. Com uma interface intuitiva que permite que funcionários autorizados protejam e monitorem facilmente seus próprios dados, no local ou em ambientes com várias nuvens, o Veritas NetBackup simplifica as operações do dia-a-dia e capacita os funcionários a desempenhar uma importante função de gerenciamento de dados em seus departamentos.

“A explosão de dados e a necessidade de protegê-los, combinados com novas tecnologias, cargas de trabalho baseadas na web e aplicativos móveis, estão remodelando as expectativas dos clientes e promovendo uma nova demanda por experiências consistentes, porém personalizadas” Killian Evers; vice-presidente de experiência do cliente e experiência do usuário, Veritas. “Nossa experiência do usuário com o cliente é uma das principais prioridades nas quais estamos nos concentrando hoje. Simplificar, padronizar e unificar a aparência da nossa interface de usuário do NetBackup é o primeiro passo nessa importante jornada. ”

Com a nova interface modernizada do Veritas NetBackup, todos os usuários autorizados, incluindo os administradores de backup, poderão agora acessar e gerenciar com segurança o backup e recuperação dos dados da empresa com apenas alguns cliques, usando o dispositivo móvel e economizando tempo valioso nas operações do dia a dia. Por meio da integração com o serviço da web “Veritas Smart Meter”, usuários podem identificar facilmente qualquer problema, visualizar um relatório de uso de capacidade e tomar medidas para manter seus ambientes de backup funcionando adequadamente.

Maior integração com cargas de trabalho de VMware e da próxima geração

O novo NetBackup 8.1.2 unifica a proteção de dados para cargas de trabalho multi-nuvem, virtuais, físicas e de próxima geração com desempenho comprovado em escala de petabytes, tudo gerenciado a partir de um único console. Projetado para proteger cargas de trabalho de TI tradicionais, bem como plataformas de análise de big data, bancos de dados de código aberto e infraestrutura hiperconvergente, o Veritas NetBackup está equipado para lidar com qualquer coisa que o data center moderno possa oferecer.

O NetBackup 8.1.2 também oferece maior funcionalidade e backup em escala corporativa para clientes VMware, bem como integração com outras cargas de trabalho modernas. Isto é conseguido através do acesso instantâneo aos seus sistemas com a nova interface e a capacidade de restaurar um único arquivo sem um agente. O NetBackup suporta Hadoop, Nutanix, MySQL, PostgreSQL, MariaDB, SQLite, HBase e MongoDB.

Proteção de dados de classe mundial simplificada

Uma equipe de design dedicada liderada pela Evers foi criada para modernizar as interfaces de usuário do NetBackup, a principal solução da Veritas, e todo o portfólio de produtos da Veritas para fornecer experiências atraentes para clientes em todo o mundo, visando unificar equipes diferentes, centralizar as informações dos clientes e oferecer experiências de alta qualidade a eles. Ao simplificar a proteção de dados, a Veritas pode ajudar os clientes a atingir um tempo de comercialização mais rápido e fornecer a eles a capacidade de se adaptar mais depressa às mudanças nas condições de mercado.

No ano passado, as equipes de projeto da Veritas coletaram feedback de milhares de clientes e parceiros em todo o mundo para entender como usam as soluções Veritas durante todo o ciclo de vida do produto. As equipes de projeto incorporaram esse feedback e simplificaram o fluxo de trabalho do NetBackup para aumentar sua usabilidade e ajudar os clientes a reduzir a complexidade de todas as tarefas de backup e recuperação de dados.

“Para melhorar a experiência dos usuários, nós precisamos da capacidade de rapidamente proteger, recuperar e oferecer relatórios sobre nossa carga de trabalho e dados”, diz Andre O’Brien, Gerente de Operações e Infraestrutura, Cidade de Albuquerque. “Com a nova interface para o Veritas NetBackup, nós seremos capazes de não apenas executar todas essas operações diárias mais facilmente e de maneira mais eficiente, mas também daremos poder aos colaboradores de diferentes departamentos para proteger e restaurar seus próprios dados sempre que eles precisarem.”

Backup de nuvem empresarial integrado com o CloudPoint 2.1

Com as novas opções de automação e integração do Veritas NetBackup 8.1.2 com a proteção de dados baseada em Veritas CloudPoint 2.1, é mais fácil e mais rápido do que nunca para as organizações gerenciarem ambientes de proteção de dados grandes e complexos, abrangendo várias nuvens e matrizes de armazenamento variadas.

“As empresas precisam de tecnologia que permita que elas façam backup e restauração de forma simples e contínua onde quer que residam e transfiram algumas das responsabilidades para os proprietários do negócio”, disse Christophe Bertrand, analista sênior do Enterprise Strategy Group. “A experiência do usuário terá um impacto significativo no sucesso dessas iniciativas. Com a nova interface do NetBackup e um foco estratégico em toda a empresa na experiência do usuário, a Veritas permite que os clientes protejam suas cargas de trabalho e as restaurem instantaneamente, quando requerem dos dados.”

Quer conhecer o novo NetBackup? A Future é parceira Veritas! Clique aqui e entre em contato conosco.

Fonte: E-Commerce News.

Veritas complementa ambientes do Microsoft Office 365 com proteção e governança de dados corporativos

A Veritas Technologies anunciou hoje a solução Proteção e Governança de Dados Veritas para Microsoft Office 365, um novo conjunto de ofertas de proteção e governança de dados. Esses aplicativos baseados em software como serviço (SaaS) fáceis de usar podem ser ativados rapidamente e entregar recursos de gerenciamento de dados corporativos para analisar, descobrir e recuperar os dados do Office 365, onde e quando necessário.

As organizações estão adotando cada vez mais rápido ambientes de escritório em nuvem como o Office 365. De acordo com a Gartner: “Até 2021, mais de 70% dos usuários corporativos serão substancialmente provisionados com recursos do escritório em nuvem”. Como as organizações começam a perceber os inúmeros benefícios associados às assinaturas do Office 365, é fundamental que elas também tomem medidas para proteger seus dados do Office 365 para ajudar a garantir que sejam facilmente recuperáveis em caso de perda de dados. As organizações também devem assegurar que seus arquivos do Office 365 sejam preservados e pesquisáveis, em conformidade com os rigorosos requisitos regulamentares.

A Proteção e Governança de Dados Veritas para Office 365 dá às organizações ferramentas essenciais para gerenciar seus dados, incluindo o Veritas SaaS Backup, uma nova solução de backup e recuperação de nuvem em nuvem projetada para a proteção e recuperação abrangente dos dados do Office 365, bem como o Veritas Information Map e o Veritas Enterprise Vault.cloud. O software Information Map apresenta uma visão em tempo real dos atributos e uso do arquivo em todo o ecossistema do Office 365, enquanto a solução Enterprise Vault.cloud ajuda as organizações a manter e descobrir os dados do Office 365 para apoiar a conformidade regulamentar e os requisitos jurídicos.

Proteção e governança automatizadas para o Office 365

Com este conjunto abrangente de ofertas de SaaS, organizações de todos os portes serão capazes de estabelecer práticas de gerenciamento de dados corporativos com proteção e governança automatizadas para o seu ambiente Office 365. Essas ofertas são altamente escaláveis e fornecem cobertura holística em todo o ecossistema de Office 365, incluindo Microsoft Exchange Online, OneDrive, SharePoint Online, Skype for Business, Microsoft Teams e Yammer.

Veritas SaaS Backup é uma solução unificada de proteção de dados que une os recursos de backup, pesquisa e restauração em uma única interface de usuário para todos os dados do Office 365. Um processo simples de três etapas de configuração fornece acesso quase imediato aos dados do Office 365 a qualquer hora, em qualquer lugar e para qualquer dispositivo. O SaaS Backup oferece inúmeras opções de restauração, incluindo download direto, restauração no local, restauração de toda a conta e migração de dados da conta para garantir uma experiência de recuperação impecável.

A solução Veritas Enterprise Vault.cloud ajuda as organizações a abordarem os rigorosos requisitos legais e regulamentares, como a Lei de Portabilidade e Responsabilidade de Seguros de Saúde (HIPAA, na sigla em inglês) e o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR, na sigla em inglês), que entrou em vigor em 25 de maio de 2018. Com suporte para journaling no Exchange Online, OneDrive, Skype for Business e Yammer, a Enterprise Vault.cloud pode entregar um repositório inviolável para todos os conteúdos e limita a exposição à exclusão de dados ou violações da cadeia de custódia. A funcionalidade avançada eDiscovery da solução Enterprise Vault.cloud, incluindo a Busca Iterativa, ajuda as organizações a acelerarem o processo de revisão de documentos.

O software Veritas Information Map apresenta aos assinantes uma visão em tempo real de seus dados não estruturados armazenados em todo o ecossistema do Office 365. Organizações que mantêm uma melhor compreensão sobre seus dados armazenados no SharePoint e no OneDrive podem tomar decisões mais informadas sobre a retenção, migração e exclusão de dados que limitam a exposição das informações ao risco. Além disso, o Information Map coleta dados sobre as extensões do tipo de arquivo e rapidamente pode ajudar a identificar ataques de ransomware e outros arquivos suspeitos para ajudar a garantir que os administradores tenham toda as informações necessárias em mãos para proteger seu ambiente Office 365 da melhor forma.

“Cada vez mais, as organizações estão adotando plataformas de escritório baseadas em nuvem, como o Microsoft Office 365 como um componente essencial de sua estratégia de TI”, afirma Mike Palmer, vice-presidente executivo e diretor de produtos da Veritas. “Com nossas novas ofertas baseadas em SaaS estamos proporcionando um novo nível de gerenciamento de dados em ambientes do Office 365 que ajudarão os clientes a garantir a conformidade e a proteção de seus dados corporativos”.

As ofertas incluídas na Proteção e Governança de Dados Veritas para Office 365 já estão disponíveis globalmente pela Veritas e seus parceiros de canal em todo o mundo.

A Future é parceira Veritas e possui profissionais capacitados para implementar essa e outras soluções Veritas. Quer saber mais? Clique aqui e entre em contato conosco!

Fonte: IT Forum 365.

Read More

Transformação digital: Sua empresa está pronta para a jornada de dados?

Nos últimos anos, o número de dispositivos conectados cresceu exponencialmente e a tendência é que aumente ainda mais: a BI Intelligence, setor de pesquisa da Business Insider, estima que serão 34 bilhões deles até 2020. Se unirmos a essa informação o fato de que aplicações na nuvem, virtualização de serviços, digitalização de processos, entre outras tecnologias, também desbravam caminhos em diferentes mercados, fica mais fácil entender o segundo estágio da transformação digital: a jornada de dados.

A primeira fase da transformação digital tem como foco a massificação da comunicação digital, o aumento da mobilidade e o uso de novas tecnologias para ganhos de eficiência e produtividade. Esses novos ambientes acabam gerando muitos dados, no entanto, boa parte das empresas ainda não utilizam o valor dessas informações, mas tendência é que esse cenário mude: o Gartner aponta que 60% das empresas vão explorar novos modelos econômicos até 2020; modelos que talvez ainda não existam, mas que surgirão a partir dos dados.

Além disso, estima-se também que, em 2020, o universo digital chegará a 40 trilhões de gigabytes, ou seja, serão de 5,2 mil gigabytes de dados para cada pessoa no mundo todo, de acordo com a IDC.

Nesse contexto, é necessário garantir que o fluxo dos dados ocorra de maneira estruturada para que as informações passem a ser ainda mais relevantes para tomar decisões, maximizar vendas e melhorar a experiência do cliente. O primeiro passo, então, é entender a jornada de dados, que é dividida em seis fases:

Coleta

É o momento de recolher os dados dentro da infraestrutura, que pode ser composta por sistemas, dispositivos de IoT, nuvem e uma série de outras fontes de informação.

Transporte

É feito por soluções de conectividade entre os usuários ou dispositivos e aplicações, utilizando a diversidade de meios existentes, como LAN, WLAN, 4G/5G, rede privada, internet, satélite, e outros.

Proteção

O transporte dos dados precisa ser feito de maneira segura pelos diferentes caminhos e destinos – internet, nuvem, de um ambiente público para privado, etc – o que demanda um forte e diverso aparato de segurança da informação e mitigação de riscos, adequado a cada ambiente no qual o dado está momentaneamente. A segurança também precisa ser escalável para milhares de pontos de conectividade, já que a mobilidade dos usuários expande ou elimina os limites da infraestrutura.

Armazenamento e processamento

Os dados devem ser encaminhados para locais que permitam processamento, utilizando plataformas privadas ou serviços de infraestrutura, como nuvem, por exemplo. Até aqui, uma estratégia integrada de transporte e proteção de dados é fundamental.

Análise dos dados

Quando todos os estágios citados acima foram feitos de maneira correta, parte-se para a análise, que é fundamental para o negócio. Aqui começam as aplicações de ciência de dados, big data, inteligência artificial e soluções digitais, que extraem informação e insights estratégicos do dado – que antes era bruto e descontextualizado – e trazem maior inteligência e novas aplicações para suportar diferentes áreas do negócio.

Compartilhamento

Por fim, as equipes devem trabalhar de forma colaborativa para encontrar soluções holísticas, a partir da análise das informações. Garantir que a comunicação com clientes e times internos ocorra de maneira contínua e colaborativa, e façam uso dos dados para desenvolver novos projetos e iniciativas é o resultado que se espera.

As empresas ainda estão em processo de amadurecimento dessa visão integrada da jornada de dados, muitas vezes, ainda focadas na otimização de um ou dois desses estágios – ritmo comum em um processo de aculturamento e ganho de maturidade. Mas, invariavelmente, o futuro digital vai requerer proficiência e um planejamento estratégico para integrar todos esses estágios. A jornada é longa. Mas não há como olhar para trás.

A Future pode ajudar você e sua empresa nessa jornada… Clique aqui e entre em contato conosco!

Fonte: Canal Tech.

Read More

15 maus hábitos tecnológicos que devem ser evitados a todo custo

Todo mundo tem vícios no mundo da tecnologia. Que atire a primeira pedra quem nunca usou a palavra “senha” como senha.

Mas agora vamos mais fundo, em busca dos hábitos realmente ruins que podem causar danos permanentes aos seus dispositivos, seu bolso e seu estado de espírito.

Apresentamos a vocês os 15 piores hábitos no mundo da tecnologia, que devem ser evitados a todo custo.

1. Não usar software de segurança

Então você pensou que poderia viver sem utilitários contra vírus e malware, apenas prestando atenção aos links nos quais clica em páginas web e e-mails. Está dando certo? Aposto que não por muito tempo.

Pelo amor de tudo o que é sagrado, use alguma coisa, qualquer coisa, para proteger seu PC e seus dispositivos móveis de malfeitores que adorariam ter você, seus aparelhos e sua conta bancária como alvo.

2. Não fazer backup de seus dispositivos

A coisa mais engraçada sobre as pessoas que não fazem backup das informações em seus computadores e smartphones é que elas sempre tem uma “boa” desculpa. “Eu sei que estou errado, mas…”. Escute: TODOS os dispositivos eventualmente falham. Todos. O seu também irá falhar. Não é uma questão de se, mas de quando, e você deve estar preparado.

3. Não fazer backups “off-site”

Imagine que um ladrão entra em seu apartamento e rouba o seu notebook. Você pensa: “não tem problema, eu fiz um backup completo ontem à noite”. Mas aí você descobre que o ladrão também roubou o HD de backup, que estava do lado do notebook. Oops!

Armazene seus dados em múltiplos locais, com backups automáticos para os dados armazenados remotamente (por exemplo, em um servidor na nuvem). E ao fazer planos para recuperar seus dados, sempre se prepare para o pior cenário possível.

4. Responder a SPAM

Sabe porque os spammers continuam emporcalhando sua caixa postal? Porque há um número grande o suficiente de pessoas que responde às mensagens, fazendo o esforço de enviá-las valer a pena.

Sim, clicar no link “remova meu e-mail” no rodapé da mensagem conta como uma resposta, já que confirma para o spammer que seu endereço existe, está ativo e há um “cliente” em potencial lendo as mensagens.

Apenas em raras ocasiões, se a mensagem vier de uma empresa legítima, seu endereço de e-mail será realmente removido da lista quando você clica no link. Lembre-se: se você não é parte da solução, é parte do problema. Invista também algum tempo aprendendo como funcionam as soluções anti spam de seu cliente de email ou provedor. Garantimos que vale a pena.

5. Andar por aí com um notebook ligado

Não há problema em tirar seu notebook da cozinha e levá-lo para a sala quando ele ainda está funcionando. Agora, tirar o notebook do escritório, enfiá-lo ligado dentro de uma mochila e encarar meia hora de metrô e um quilômetro de caminhada é uma PÉSSIMA ideia.

Um disco rígido em funcionamento pode ser danificado mesmo por um pequeno impacto (como um solavanco dentro de um ônibus), e micros podem facilmente superaquecer se deixados em lugares fechados. Desligue seu micro antes de transportá-lo.

6. Imprimir tudo

Você pode ter cópias digitais de todos os formulários, recibos e comprovantes de que precisa, basta instalar um software gratuito que “imprima” em arquivos PDF a partir de qualquer programa no Windows. Então pra que desperdiçar papel? Mesmo formulários hoje em dia podem ser assinados digitalmente, então antes de imprimir pense duas vezes: eu realmente preciso de uma cópia disso em papel? Seu bolso, e o meio-ambiente, irão agradecer.

7. Usar um notebook na cama

Você pode usar seu notebook na cama o quanto quiser. O problema é quando você o deixa ligado apoiado sobre seu maravilhoso edredon de penas de ganso. Edredons, cobertores, travesseiros e almofadas podem bloquear as saídas de ventilação do computador, causando superaquecimento e danos aos componentes. Além do mais, você pode acabar com um baita torcicolo se usar o computador em uma posição não natural. Use uma mesinha para notebook ou mesinha de café para manter a máquina em uma posição confortável e garantir um bom fluxo de ar.

8. Deixar o notebook no carro

Ladrões ficam à espreita em estacionamentos movimentados e procuram pessoas engravatadas que distraidamente deixam suas malas de notebook no carro, mesmo que por alguns minutos. Tudo o que eles tem a fazer é quebrar uma janela, agarrar a mala e pronto, seu portátil virou história em menos de 10 segundos.

Colocar a mala no bagageiro do carro em uma rua movimentada à vista de todos também é uma péssima ideia. Bandidos podem segui-lo e esperar você “dar bobeira” para atacar, seja com um revólver em punho ou simplesmente abrindo o porta-malas quando você estacionar, algo ainda mais fácil que quebrar a janela.

Se você precisa deixar o notebook na mala do carro, faça isso em um local discreto, longe dos olhos de curiosos. Melhor ainda, leve o notebook com você.

9. Não ter um endereço de e-mail “descartável”

Não dê seu endereço principal de e-mail para sites questionáveis ou pessoas que você encontrou na balada. Um endereço “descartável” que você checa de vez em quando é uma solução melhor.

10. Guardar todos os seus e-mails!

Todas as mensagens que você recebeu em sua vida estão sentadinhas na sua caixa de entrada em ordem cronológica? Parabéns! Você não só tem um histórico perfeito de toda sua comunicação online como a garantia de que nunca mais conseguirá achar uma mensagem importante no meio de tudo aquilo.

Use pastas e tags (marcadores) para separar suas mensagens por categoria (trabalho, pessoal, importante, etc…) e seja liberal no uso da tecla Delete para apagar mensagens que não terão mais serventia.

11. Não aprender os atalhos de teclado

Você sabia que há pessoas que não sabem que Ctrl+C serve para copiar um item e Ctrl+V para colar? Não estou dizendo que você tem que decorar todas as combinações de Alt, Ctrl e Shift existentes, mas quanto mais você aprender, mais cedo vai terminar seu serviço. É simples: é necessário mais tempo para pegar o mouse e clicar em Arquivo / Salvar do que para teclar Ctrl + S.

12. Instalar coisas demais

Porque o Windows está tão lento? Porque você instalou três programas de mensagens instantâneas e 7 barras de ferramentas em seu navegador. Depois que tudo isso estiver instalado o estrago já está feito, porque muitos destes programas deixam para trás rastros que são difíceis de eliminar. Você pode fazer um esforço para Limpar seu PC, mas se precaver é a melhor opção. Antes de instalar um programa, faça a pergunta: eu realmente preciso dele?

13. Salvar arquivos em qualquer lugar

Quando a conta de luz chega você a joga em cima da mesa, em uma pilha com as fotos da família, folhetos de pizzaria, o jornal de domingo e um monte de DVDs? Ou você gasta os 20 segundos necessários para colocá-la no lugar certo? Nem precisa responder. Assim como nos e-mails, organize seus arquivos em pastas. Elas são suas amigas.

14. Usar uma única senha para tudo

Basta que sua operadora de telefonia escorregue e deixe vazar informações sobre seus assinantes para que um malfeitor, de posse de sua senha de auto-atendimento, acesse seu e-mail, conta no banco e perfil de rede social. É como uma pista expressa para ladrões de identidade!

Nos dias de hoje, ter uma senha única para cada site é algo impossível, mas ao menos use um conjunto de várias senhas, e guarde as melhores para os serviços mais importantes.

15. Não trancar seu smartphone

Quando um pilantra encontra um smartphone perdido, a primeira coisa que ele irá fazer é ligações. Provavelmente interurbanas e internacionais também. Depois, ele vai coletar toda a informação que puder para uso em spam ou roubo de identidade.

Mas você pode evitar tudo isso colocando uma simples senha no aparelho. Ou investir em ferramentas de segurança, que permitam bloquear o aparelho à distância e até “formatar” a memória interna com um simples comando via SMS, impedindo que suas informações caiam em mãos erradas.

A Future possui Soluções que ajudam você e sua empresa a proteger seus dados e ativos. Clique aqui e conheça!

Fonte: CIO.

Read More

Armazenamento em flash: o que está por vir

Com a transformação digital e o crescimento de tecnologias como inteligência artificial, big data e cloud, lidar com um grande volume de informações e fazer uma análise eficiente dos dados são determinantes para o sucesso da companhia. Nesse cenário, ganha força o armazenamento em flash, que estará cada mais ligado à automatização e eficiência dos negócios. “As empresas estão focando na melhoria da experiência do cliente e isso exige aplicações mais robustas e inteligentes”, ressalta Paulo Godoy, country manager da Pure Storage para o Brasil. Segundo ele, para que a tomada de decisão seja feita de forma automática, os dados precisam estar armazenados em uma plataforma rápida e eficiente.

Veja, a seguir, como a tecnologia ajudará algumas áreas e as tendências para os próximos anos:

Agronegócio

Graças ao armazenamento em flash e a sensores de monitoramento, os profissionais do mercado de agricultura conseguirão monitorar o solo, entender as condições atuais, acompanhar a colheita e gerar correções automáticas. Além disso, baseado nas informações armazenadas, os produtores poderão tomar decisões mais precisas para as plantações.

Finanças

O aumento do número de transações faz com que as instituições financeiras precisem se estruturar de maneira certeira. Assim, o armazenamento em flash ganhará cada vez mais espaço na área, permitindo que as organizações lidem melhor com o grande volume de dados, acelerem as aplicações e melhorem o desempenho.

Varejo

A boa ou má experiência dos clientes depende, principalmente, da qualidade do atendimento e dos serviços prestados. O rápido acesso aos dados poderá se refletir, por exemplo, no tempo gasto para processar lotes de notas fiscais ou na análise das informações de uma pesquisa de satisfação.

Cidades inteligentes

A tecnologia também auxiliará nas construções, monitoramento e tomada de decisões nas cidades. “Se for preciso ampliar uma rua por conta do trânsito intenso, por exemplo, o flash permitirá o acesso a um volume muito maior de informações sobre tráfego de carros e pessoas, e em menos tempo. Assim, as mudanças poderão ser feitas mais rapidamente”, ressalta Godoy.

 

A Future tem soluções de alta performance para o seu negócio, com os melhores equipamentos disponíveis no mercado e uma equipe especializada para oferecer o melhor suporte ao cliente. Conheça nossas soluções clicando aqui.

Fonte: IT Forum 365

Read More

Backup: a importância das cópias de segurança

No mundo da segurança da informação, uma das melhores práticas para evitar uma possível emergência inclui a implementação de um plano de backup e recuperação de dados. É fundamental fazer cópias de segurança como medida prévia para enfrentar incidentes, pois a perda de informações pode ser causada pela falha de um dispositivo ou sistema físico, por erro humano, código malicioso ou ataque cibernético.

De acordo com uma pesquisa recente da ESET, 87% dos usuários fazem backup de suas informações, principalmente em HDs externos e depois na nuvem, escolhendo prioritariamente documentos de trabalho ou estudo, fotos e senhas. Entre as principais razões, 32% dizem que é por medo de defeito ou erro de hardware, 21% por roubo de informação e 20% por informação corrompida.

Por outro lado, entre os usuários que não realizam backup, 72% mencionaram que isso se deve ao esquecimento e, por não saber fazê-lo, 78% perderam informações e 31% perderam dinheiro.

À medida que as ameaças evoluem, a resposta e a recuperação de incidentes prendem cada vez mais a atenção dos defensores cibernéticos de organizações e equipes. De fato, o cenário de ameaças dá a impressão de estar em constante crescimento e, dada nossa dependência em tecnologia, ter um plano de resposta para quando estivermos diante de situações de risco nunca foi tão importante quanto agora.

Em relação às organizações, os incidentes de segurança da informação apresentam um número expressivo de desafios específicos tanto para detecção como para recuperação. Pode ser que a falha e a extensão do dano causado não sejam imediatamente identificadas ou o momento em que a intrusão ocorreu não é evidente em um primeiro momento.

Por outro lado, o risco de se espalhar para outros sistemas é um dos desafios específicos percebidos nos incidentes de segurança cibernética. Seja qual for a causa, a organização precisa restaurar a dinâmica natural de suas operações, e a reconstrução de dados corrompidos ou perdidos, especialmente dados críticos de negócios coletados em um backup, pode representar a sobrevivência da empresa.

Existem vários meios de armazenamento que permitem fazer backup dos dados. Neste ponto, o espaço físico onde o backup está armazenado também deve ser seguro. Os usuários domésticos podem optar por diversas opções.

– Disco rígido – Ter um disco apenas para este fim é uma boa pedida. O ideal é que seja um HD externo, mas caso seja interno, ele deve ser fisicamente diferente daquele usado para iniciar o sistema operacional.

– Dispositivo de armazenamento USB – É aconselhável usar um pen drive exclusivamente para backups, no entanto, é importante ser cuidadoso, pois eles podem ser frágeis ou facilmente perdidos devido ao seu tamanho.

– Meios óticos (CD/DVD/BLU-RAY) – Estes são mais suscetíveis a danos físicos, como arranhões, que podem corromper os dados. Recomenda-se armazenar as informações em mais de um meio ótico, no caso de ocorrer alguma falha.

A Future possui soluções de alta disponibilidade, que visam deixar seus dados disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana. Conheça nossas soluções de Disponibilidade clicando aqui.

Fonte: Administradores

Read More

Em meio a grandes escândalos, segurança de dados é peça-chave para empresas

Recentemente tiveram falhas ligadas a uma rede social com vazamento de dados pessoais de usuários e o mesmo também aconteceu em um aplicativo de relacionamento LGBT.

A falha na segurança de dados já é uma das maiores preocupações atuais. As vulnerabilidades de segurança e o vazamento de dados aumentaram consideravelmente nos últimos anos e só no ano passado mais de 40 empresas tiveram brechas reportadas.

Qualquer indústria está sujeita a violações de dados. Como resultado deste tipo de incidente, elas podem experimentar não só impactos financeiros, como também penalidades previstas na lei, queda na fidelização de clientes e na sua reputação. Mas, para implementar as políticas e controles de segurança adequados, as organizações enfrentam sérios obstáculos para proteger os dados.

Para alavancar o sucesso na proteção de dados, o avanço das políticas corporativas de segurança é mandatório. Qualquer organização que esteja lidando com a privacidade de seus clientes deve investir em eficiência de segurança, isto é, em políticas mais rigorosas e tecnologias avançadas.

As políticas de segurança bem planejadas são estratégicas para qualquer organização. Elas devem definir quem gere o programa de segurança, o que é prioritário em termos de prevenção e proteção, quando e onde acionar as medidas necessárias e quais são estas medidas.

É necessário prestar atenção especial em:

– Métodos aceitáveis de compartilhamento de arquivos
– Diretrizes de uso da Internet
– Uso adequado de dispositivos sem fio
– Uso adequado de tecnologias criptografadas
– Políticas de senha
– Aplicações proibidas
– Serviços proibidos
– Políticas de Privacidade
– Políticas de backup
– Acesso remoto aceitável
– Descarte adequadamente os dados (sensíveis e não sensíveis)
– Políticas de spam

Para começar a desenvolver políticas de segurança, deve-se realizar uma avaliação de segurança nas operações atuais. Isso é instrumental para identificar as lacunas e os pontos fortes. Depois disso, é hora de identificar quais as tecnologias e ferramentas ainda são necessárias na estratégia de segurança para proteger melhor os dados. Usar um framework, como NIST, ISO, PCI DSS, SANS ou outros, deve facilitar a avaliação.

Quando se trata de proteger dados confidenciais, algumas das ferramentas-chave são a criptografia, o monitoramento regular, os backups e as soluções de endpoint. A criptografia é focada inteiramente em dados, no seu armazenamento, proteção e transmissão. As soluções de endpoint podem usar criptografia para evitar perda de dados e vazamento, impor políticas de proteção de dados unificadas em todos os seus servidores, redes e dispositivos, reduzindo assim o risco de violação de dados.

Ferramentas como IDS/IPS e SIEM são importantes no monitoramento de atividades mal-intencionadas na rede e para alertar a equipe apropriada para responder ao evento. Por fim, uma solução de backup pode ajudar a restaurar a perda de dados por erro humano, durante um ataque de ransomware, por exemplo.

Fonte: Computer World

Read More

Cerca de 26% dos ataques ransomware são direcionados a empresas

O ano de 2017 será lembrado como o ano em que a ameaça de ransomware evoluiu de forma rápida e repentina, dirigindo-se a empresas em todo o mundo com uma série de ataques destrutivos e cujo objetivo final continua ainda por conhecer. Estes ataques incluíram o WannaCry a 12 de maio, o ExPetr a 27 de junho, e o BadRabbit no final de outubro. Todos utilizaram exploits desenvolvidos para comprometer redes corporativas.

 Em 2017 foram atacados cerca de 950.000 utilizadores individuais, uma redução de 1.5 milhões face a 2016. Esta redução deve-se, em parte, a uma mudança na metodologia de deteção. Por exemplo, as ferramentas de transferência normalmente associadas ao cryptomalware são agora detetadas mais facilmente graças a tecnologias heurísticas, separando-os dos números registados relativos a ransomware e recolhidos através de telemetria.

Os três ataques principais, bem como outros menos importantes, incluindo a AES-NI e a Uiwix, utilizaram exploits sofisticados difundidos online na primavera de 2017 por um grupo conhecido como Shadow Brokers.

Registou-se uma descida relativamente ao aparecimento de novas famílias de ransomware: 38 em 2017 comparado com 62 em 2016; com um aumento das modificações a ransomware já existente (mais de 96.000 em 2017 comparadas com 54.000 em 2016). O aumento das modificações pode ser o reflexo das tentativas dos hackers em camuflar o seu ransomware à medida que as soluções de segurança se tornam melhores a detetá-lo.

A partir do segundo trimestre de 2017, vários grupos terminaram as suas atividades relacionadas com ransomware e publicaram as chaves necessárias para desencriptar os ficheiros. Entre eles incluem-se o AES-NI, o xdata, o Petya/Mischa/GoldenEye e o Crysis. Crysis, este último reaparecendo mais tarde – provavelmente pela mão de um grupo diferente.

A tendência crescente de infetar empresas através de sistemas de ambientes de trabalho remoto em continuou em 2017, quando esta abordagem se tornou um dos principais métodos de propagação de várias famílias, como a Crysis, a Purgen/GlobeImposter e a Cryakl.

Cerca de 65% das empresas afetadas por ransomware em 2017 perdeu o acesso a uma parte importante ou à totalidade dos seus dados, e uma em cada seis das que reconheceram ter pagado, nunca recuperaram os seus dados. Estes números são consistentes com os referentes a 2016.

Felizmente, a iniciativa No More Ransom, lançada em julho de 2016, está a ser bem-sucedida. O projeto junta autoridades policiais e fornecedores de soluções de segurança para detetar e deter as grandes famílias de ransomware, ajudando os indivíduos a recuperar os seus dados e enfraquecendo o modelo de negócio lucrativo dos hackers.

Fonte: Bit

Read More

Segurança da informação: o que aprendemos em 2017

Depois de uma série de ciberataques ocorridos ao longo de 2017, a tendência é que a ocorrência de incidentes contra a segurança da informação vão continuar a acontecer. E o Brasil permanece entre os países com uma alta incidência de problemas relacionados à segurança da informação. De acordo com dados de pesquisa divulgada pela PwC, o número de incidentes de segurança reportados por organizações brasileiras aumentou em 247%; à título de comparação, o aumento em escala global é de 38%.

Ciberataques envolvendo malwares como o Petya, o WannaCry e o Bad Habbit não pouparam o Brasil durante sua disseminação mundial nos últimos meses. De maio para cá, foram muitas as notícias envolvendo organizações públicas e privadas afetadas por um desses problemas. Diante desse cenário, seria normal pensar que as empresas e pessoas passaram a se preocupar mais com a segurança dos seus dados e o uso seguro da internet, correto? Nem tanto.

Analisando a partir de uma perspectiva de quem trabalha com defesa cibernética, o que notamos é que os ocorridos citados não foram suficientes para aumentar os investimentos das empresas brasileiras em medidas preventivas. Notou-se uma movimentação momentânea horas e dias depois dos ataques, sobretudo por parte de gestores e tomadores de decisão das organizações. Essa preocupação, no entanto, em muitos casos observados, não se converteu em uma estratégia de proteção, seja por aquisição ou revisão de processos.

Em outras palavras, as pessoas e empresas menos maduras e preparadas ficaram rapidamente comovidas com os incidentes de segurança que foram divulgados com ênfase. Nesse contexto, muitas olham para seus ambientes e procuram prestadores de serviço especializados, mas poucas efetivamente compram soluções para maximizar a segurança dos seus ambientes para, em consequência, diminuir o risco de ataques de sequestro de dados e outros derivados. Outras continuam optando pelo caminho mais curto, que é investir e revisar políticas de backup, ao invés de também direcionar esforços para técnicas de prevenção.

Ainda há um grande desafio para romper a ideia de que segurança da informação é algo caro, apenas para grandes empresas ou que um negócio pequeno nunca será atacado. Faltam mecanismos para conscientizar as pessoas – por exemplo, as que adotam o home office, prática profissional que se tornará mais comum nos próximos anos – e empresas sobre o perigo que ciberataques como estes podem gerar para seus negócios e/ou vida financeira.

As organizações brasileiras – independente do porte e segmento de atuação – ainda precisam se ater ao básico, desenvolvendo políticas internas mínimas para a segurança dos dados. Aquelas que trabalham com dados sensíveis normalmente possuem maturidade, mas não estão livres destes incidentes, por isso o momento (e muito mais o futuro próximo) requer atenção. Elas estão mais preparadas, possuem recursos e tem uma estrutura de governança e compliance forte. No entanto, representam uma minoria.

Enquanto não houver mais conhecimento e acesso à esse tipo de informação e mercado, a realidade no Brasil sobre segurança da informação continuará sendo a de vivenciar momentos de um breve pânico quando houver a divulgação de ocorrências dessas ameaças, seguida de uma falta de contenção das vulnerabilidades existentes e, por fim, manter-se alheio à proteção dos dados, julgando que jamais será vítima de uma ameaça dessa natureza. Por isso, é preciso mudar essa mentalidade e buscar medidas verdadeiramente preventivas para evitar problemas futuros maiores, seja em ambientes corporativos ou domésticos.

Fonte: Administradores.com

Read More

Onda de ciberataques revela fragilidade das empresas brasileiras com segurança da informação

Parece clichê, mas nunca foi tão certo o ditado: prevenir é sempre melhor do que remediar. Não só pelo valor e gosto amargo da posologia, quando ainda há sinais de cura, mas, principalmente, pelo momento de crise que muitas empresas enfrentam no Brasil, na qual cada centavo conta. Essa é a visão de um especialista que atua há 27 anos no mercado de TI, 15 deles desenvolvendo soluções voltadas para segurança de dados e suporte remoto.

Segundo o estudo The Global State of Information Security Survey, com a participação de 10 mil executivos de 127 países, sendo 600 do Brasil, foram identificadas 8,7 mil ocorrências de casos relacionados à segurança de dados em companhias de diferentes setores. Número 274% superior em relação ao ano anterior, levando ao prejuízo de US$ 2,5 milhões. “O que assusta é que, segundo outra pesquisa do mesmo instituto, mas realizada pela EY, no mesmo ano, com 1775 executivos de 67 países, incluindo o Brasil, apesar do impacto financeiro, 63% das empresas ainda não investem em programas de prevenção”, aponta.

Ainda segundo o especialista, num panorama mais recente, mas não menos assustador, o IDC aponta que 85% das companhias brasileiras (entre as 200 grandes empresas ouvidas) ainda não terceirizam o data center e que, apesar de metade delas (45%) considerarem importante a adoção desse tipo de serviço, apenas 25% o fariam, de fato, pela questão da segurança física e de dados.

Muito mais do que alocar os dados na nuvem, a maneira como ocorre o gerenciamento dos dados e a realização do backup faz toda a diferença na hora que um ciberataque ocorre. “As empresas precisam ter a garantia de restauração de suas informações, minimizando a zero o pagamento de resgate pelos mesmos”, aponta Stern.

Desse modo, além de ter um ambiente adequado para armazenar informações, ele precisa ser seguro, ser criptografado e 100% automatizado, liberando a equipe de TI para a prática de outras atividades. “A aculturação a essas boas práticas, pelo o que as pesquisas apontam, será a ferro e fogo, após muita dor e se ainda for possível aliviar as empresas da bancarrota”, alerta o executivo.

“Atualmente, a evolução digital trouxe novos desafios às empresas, principalmente no quesito de cibersegurança dos dados. É imprescindível que o empresário esteja preparado para proteger as informações do seu negócio para não cair nas mãos da concorrência ou até de hackers que possam denigrir a imagem da marca”, comenta Stern.

Os riscos para o vazamento ou perda de dados podem vir de ameaças internas, como funcionários com má índole, processos falhos ou equipamentos com defeitos. Já as ameaças externas se estendem a incidentes, como incêndios e raio, além de roubo, vírus, ransomware, entre outros fatores.

Para que não ocorra a perda ou extravios das informações estratégicas da empresa, é indispensável que o empreendedor treine e conscientize sua equipe, visto que, falhas humanas, que incluem funcionários desatentos ou negligentes, causaram 31% das violações de dados das empresas, segundo pesquisa da IBM em parceria com o Instituto Ponemon, sobre Custos de Violação de Dados 2017, de julho de 2017. A pesquisa ainda revela que ataques maliciosos ainda são a principal causa da violação de dados, sendo responsáveis por 44% dos casos analisado, a um custo de R$ 4,72 milhões para reparar os danos, um aumento de R$ 41 milhões em relação ao ano de 2016.

Para evitar a perda, roubo ou violação, a conscientização é o primeiro passo para evitar os prejuízos. Informar os funcionários, mostrar os riscos e como a perda de dados afeta a empresa e os clientes é um dos primeiros passos. “Também é preciso fazer reuniões que apontem o custo se a empresa parar por um ou mais dias e como os próprios funcionários serão afetados”, detalha Stern.

Outra forma de evitar incidentes é mantendo os sistemas operacionais atualizados, nunca utilizando softwares piratas, mantendo o antivírus e o anti-malware atualizados e utilizando um bom firewall. O especialista também aconselha para não ligar o servidor principal direto na internet, pois isso faz com que o servidor fique vulnerável a ataques.

“Adicionalmente, é preciso manter uma política de acesso e segurança aos arquivos. Além disso, o empresário deve compartilhar apenas o que for essencialmente necessário e somente pessoas autorizadas e treinadas devem poder instalar aplicativos”, alerta Roberto. Nesse âmbito, a empresa deve instituir regras para senhas, utilizando apenas combinações fortes e difíceis de serem quebradas, como frases longas com maiúsculas, minúsculas, números e símbolos, com um mínimo de 12 caracteres, o ideal seria a partir de 14. A política de segurança também deve incentivar a troca frequente das senhas, mantendo-as armazenadas em aplicativo para tal, ou impressas e guardadas em local seguro, como cofres.

Outro aspecto importante é testar regularmente o Backup e se as práticas e protocolos de ação estão bem dimensionados e a equipe treinada. “Na hora do aperto é preciso ter certeza que os dados estão seguros e acessíveis”, alerta Stern.

Por fim, a empresa deve ter estratégias para recuperar os dados e evitar que após o ataque ou perda, a empresa não seja prejudicada. “Faça uma, duas, três cópias de segurança ou backup, teste as cópias e mantenha as mesmas em locais distintos de onde estão os dados originais. “Adicionalmente teste a restauração com frequência, simulando a perda de dados, assim é possível avaliar quanto tempo esse processo leva e se a equipe está preparada para realizá-lo da forma mais efetiva e rápida mitigando perante o mercado o tempo de parada das operações”, finaliza o especialista.

Fonte: EXAME

Read More

Receba conteúdos exclusivos