Empresas ainda confundem segurança com antivírus

Brasileiros ainda enxergam segurança cibernética como commodity. “Costumo dizer: você consegue sair do supermercado com uma caixa de leite e uma caixa de antivírus na mão”, brinca diretor-geral de empresa de segurança no Brasil.

“Não que tenha acabado, mas antivírus são apenas um pedaço pequeno do que é a segurança atualmente. Ainda confundem segurança com antivírus”, alerta o executivo, que há um ano e meio lidera as operações da companhia russa de segurança cibernética no Brasil.

O executivo lembra que a segurança da informação vai muito além da simples proteção contra vírus e malware. Um exemplo é o ataque phishing, que não é um malware, mas simplesmente uma estratégia hacker para convencer internautas a clicarem em links maliciosos, normalmente com falsas campanhas como “isca”. “Você precisa ter uma segurança embarcada que diz que esse site não é verdadeiro”, defende.

Uma das principais causas da vulnerabilidade de organizações, para ele, são estratégias inadequadas. “Empresas faturam como companhias mas têm mentalidade de proteção como usuários caseiros: (produtos) grátis. Elas ainda usam proteção grátis que vem embarcada nos dispositivos”, comenta. “E o grátis sai caro”, alerta.

Origem do problema

Diretor-geral recorre a sua experiência no início da carreira para lembrar uma das origens da falta de cultura de segurança em organizações. “Fui gestor de TI em banco e o que acontece é que TI geralmente é uma área sem faturamento dentro de empresas. Por isso, é difícil conseguir verba para investimentos em segurança. De maneira geral, quando é pedido para reduzir gastos, significa gastar menos. Por isso a empresa vai comprar algo mais barato.”

Entra por um ouvido e sai pelo outro

O devastador caso do ransomware WannaCry, que derrubou milhões de máquinas em todo o mundo no ano passado, foi tratado por muitas pessoas como um verdadeiro alerta para companhias. O diretor concorda com a afirmação, mas diz que esse boom durou não mais que seis meses. “O WannaCry acordou muita gente, mas infelizmente temos mentalidade de que nada vai acontecer conosco. É como dizer que um raio não cairá duas vezes no mesmo lugar. Com segurança é ao contrário. Se você foi atacado uma vez, será de novo. E até com mais certeza porque o mercado sabe que você é inseguro”, diz.

O mega ataque criou preocupação, mas caiu no esquecimento em meio a tantas outras preocupações do dia a dia.

Segurança no core

O fato é que empresas estão mais avançadas no quesito segurança da informação, inclusive com o avanço da figura do CISO (Chief Information Security Officer), mas ainda há barreiras a serem quebradas.

O executivo cita como bons exemplos os casos de empresas como bancos e seguradoras, que têm criado o papel do arquiteto de segurança, profissional responsável por pensar a segurança em cada projeto desenvolvido. E é justamente esse ponto que ele defende: colocar a segurança da informação no início de cada discussão, senão pode ser tarde demais.

“É como projetar um carro. A montadora cria todas as peças e no fim vai colocar banco, cinto de segurança e airbag? Pode ser que não caiba no veículo. É preciso pensar tudo desde o começo de cada produção. Da mesma forma a segurança da informação, que tem de ser by design e pensada antes de qualquer processo.”

O diretor, por fim, diz também que vê uma postura mais avançada, mas organizações ainda continuam pensando que a aquisição de uma única tecnologia resolve o problema. “Não existe segurança default em dispositivos”, finaliza.

A Future possui as melhores soluções e serviços para manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: ComputerWorld

Read More

Polícia espanhola prende suspeito de liderar quadrilha hacker que roubou € 1 bilhão

A força policial espanhola prendeu um suspeito de liderar uma quadrilha de cibercriminosos que roubou mais de € 1 bilhão, o que equivale a cerca de R$ 4 bilhões. Após cooperação entre policiais dos EUA, Ásia de Europa, o suspeito, identificado como Denis K., foi detido em Alicante, uma cidade portuária localizada na costa sudeste da Espanha.

Segundo pronunciamento da Europol, o grupo aplicava golpes desde 2013, com membros em mais de 40 países e tendo lesado o patrimônio de mais de 100 instituições financeiras.

O método utilizado pelos cibercriminosos eram malwares enviados por e-mail para funcionários dos bancos e, com as máquinas infectadas, o grupo conseguia controle da rede e dos servidores do banco. “Com esse nível de acesso, os elementos autorizaram transferências bancárias fraudulentas, aumentaram os saldos das contas de mula ou controlaram os caixas eletrônicos afetados para liberar o dinheiro para eles”, comunicou a Europol.

Estavam com Denis K., no momento da apreensão, outros três homens, que supostamente fazem parte do grupo criminoso e teriam nacionalidades russas e ucranianas. A polícia da Ucrânia não comentou o caso. Com o grupo foram também apreendidos dois carros de luxo e mais de € 500 mil (ou cerca de R$ 2 bilhões) em jóias. As contas bancárias dos acusados e duas casas avaliadas em cerca de € 1 milhão (pouco mais de R$ 4 milhões) estão bloqueadas pela Justiça espanhola.

Segundo detalhes fornecidos pelos investigadores, Denis K. utilizou plataformas financeiras em Gibraltar e no Reino Unido para carregar cartões de crédito pré-pagos com bitcoins para usufruir das quantias na Espanha, além de usar a criptomoeda para lavagem de dinheiro.

A Future possui as melhores soluções e serviços para garantir a segurança da sua empresa. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: CanalTech

Read More

Grupo hacker do Irã é acusado de roubar trabalhos científicos

Um grupo de nove hackers identificados pelas autoridades americanas encontra-se formalmente acusado de roubar trabalho científico e propriedade intelectual de diversas individualidades e instituições. Na medida em que os acusados não residem nos EUA, será complicado levá-los a tribunal.

Os iranianos conduziram ataques cibernéticos em nome da Guarda Revolucionária Iraniana. Entre 2013 e 2017, os hackers teriam atacado mais de 100.000 contas de professores universitários, tendo sucesso em conseguir comprometer as contas de cerca de 8.000. Ao todo, foram atacados professores ou investigadores de 320 universidades, 47 empresas privadas, diversos setores do governo dos EUA e as Nações Unidas.

O objetivo destes ataques teria sido auxiliar as universidades Iranianas no acesso à investigação científica, revelou Rod Rosenstein, procurador-geral americano numa conferência de imprensa na sexta-feira. É referido que o valor monetário da informação roubada pode ascender aos $3,14 biliões de dólares.

Na prática, as acusações formais passam por conspiração para cometer intrusão em computador, fraude, roubo de identidade agravado e acesso não autorizado a computador. Tudo combinado, pode conduzir a quatro décadas na prisão. Os acusados não são residentes dos EUA.

A Future possui as melhores soluções e serviços para manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: MaisTecnologia

Read More

Ataques DoS crescem quatro vezes em 2017

Em 2017, os incidentes de segurança reportados voluntariamente por usuários de internet ao Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) somaram 833.775 (número 29% maior que o total de 2016), sendo 220.188 relacionados a dispositivos que participaram de ataques de negação de serviço (DoS – Denial of Service). Esse número foi quase quatro vezes maior do que as notificações de ataques DoS recebidas em 2016, que totalizaram 60.432.

Dispositivos IoT

Os ataques de negação de serviço (DoS ou DDoS) têm o objetivo de tirar de operação um serviço, um computador ou uma rede conectada à Internet. Em 2017, a maioria das notificações foi do tipo distribuído (DDoS – Distributed Denial of Service), quando um conjunto de equipamentos é utilizado no ataque. Em particular, muitos dos ataques reportados foram disparados a partir de dispositivos de internet das coisas (IoT na sigla em inglês) infectados e fazendo parte de botnets.

Parte dos ataques DDoS também foi originada por roteadores e modems de banda larga no Brasil, seja porque estavam comprometidos ou porque possuíam serviços mal configurados, permitindo amplificação de tráfego.

O CERT.br também observou que ataques de força bruta a serviços como SSH (22/TCP) e TELNET (23/TCP) continuam muito frequentes e englobam tentativas de comprometer dispositivos IoT e equipamentos de rede alocados às residências, tais como modems ADSL e cabo, roteadores Wi-Fi, entre outros. Esse tipo de ataque visa adivinhar, por tentativa e erro, as suas senhas de administração e, assim, comprometer os dispositivos.

Para melhorar esse cenário, é essencial implementar boas práticas presentes no Portal de boas práticas para a Internet no Brasil, principalmente as relativas à Implementação de Antispoofing para Redução de DDoS, e as Recomendações para Melhorar o Cenário de Ataques Distribuídos de Negação de Serviço (DDoS).

Tentativas de fraude

Já as notificações de tentativas de fraude diminuíram em 2017, somando 59.319 incidentes, uma queda de 42% em relação a 2016. Os casos de páginas falsas de bancos e sítios de comércio eletrônico (phishing) caíram 46% na comparação com o ano anterior. Já as notificações de casos de páginas falsas que não envolvem bancos e sites de comércio eletrônico, como serviços de webmail e redes sociais, por exemplo, tiveram um aumento de 6% em relação ao ano anterior.

Fonte: Computer World

PF prende grupo hacker por roubar R$ 10 milhões e lavar dinheiro com bitcoin

A Polícia Federal deu início nesta quarta-feira, 21, à Operação Código Reverso, que mira um grupo de cibercriminosos com conexões internacionais, que infectava computadores visando ter acesso a contas bancárias de vítimas para realização de transferências e pagamentos indevidos.

A Operação envolveu mais de 100 policiais cumprindo 43 mandados (sete de prisão preventiva, um de prisão temporária, 11 de intimação e 24 de busca e apreensão) em quatro estados: Tocantins, São Paulo, Goiás e Pernambuco. No total foram seis pessoas presas e duas seguem foragidas.

Segundo a PF, apenas nos últimos 9 meses, os cibercriminosos conseguiram gerar prejuízos na casa dos R$ 10 milhões, burlando mecanismos de segurança dos bancos para realizar suas operações fraudulentas.

A PF também nota que todos os membros da organização viviam uma vida luxuosa como resultado de suas atividades, utilizando empresas de fachada para ocultar a origem do patrimônio. Além disso, eles também investiram boa parte dos recursos roubados em bitcoins, o que a PF considera lavagem de dinheiro.

Também serão investigados empresários suspeitos de procurarem os cibercriminosos, que teriam buscado os serviços para obter vantagens comerciais ilícitas sobre a concorrência, além de receber descontos na quitação de impostos, pagamentos de contas e realização de compras por meio dos pagamentos indevidos realizados pelo grupo, que causavam prejuízos a milhares de contas bancárias de diversas instituições.

A Future possui a solução ideal para manter a segurança da sua empresa. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: OlharDigital

Read More

Hackers roubam dados de 880 mil clientes de empresa de viagens dos EUA

Plataforma digital de reserva de viagens anunciou nesta terça-feira que identificou uma invasão que pode ter afetado informações de cartões de créditos de 880 mil usuários que fizeram compras no serviço entre 2016 e 2017, um problema já corrigido pela companhia.

A empresa estava investigando uma plataforma anterior à utilizada atualmente quando encontrou provas que sugeriam que um hacker invadiu o sistema e teve acesso a informações guardadas em dois sites. Especialistas, uma auditoria externa e a polícia foram chamados para ajudar a corrigir o problema, segundo a empresa.

De acordo com a companhia de viagens, os dados possivelmente roubados foram de clientes que usaram o serviço entre janeiro e a metade de junho de 2016 e a plataforma para parceiros entre janeiro de 2016 e dezembro de 2017. O site atual não foi afetado.

“O hacker pode ter tido acesso às informações pessoais de certas compras feitas nesses dois sites. O número de cartões de crédito envolvidos no incidente é de cerca de 880 mil”, explicou.

Os responsáveis pelo ataque também teriam obtido nomes completos, endereços, datas de aniversário, números de telefone, entre outros, das pessoas que utilizaram a Orbitz no período citado. A empresa, porém, não tem “provas concretas” de que esses dados foram roubados.

A empresa pediu desculpas pelo incidente e garantiu estar comprometida em manter a confiança de seus clientes. Os afetados pela invasão estão sendo notificados.

“Estamos oferecendo aos indivíduos afetados um ano de acompanhamento de crédito gratuito e serviços de proteção de identidade nos países nos quais eles estejam disponíveis”, explicou em nota.

A Future possui as melhores soluções e serviços para a manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: EpocaNegocios

Read More

Ataque hacker mira informações da indústria marítima americana

Empresa de segurança divulgou algumas informações sobre sua investigação a respeito de um grupo de hackers de provável origem chinesa que está mirando as indústrias marítima e de engenharia americanas. Batizado de “TEMP.Periscope” e chamado por algumas outras empresas de “Leviathan”, é provável que o grupo tenha interesse nesses alvos por causa das disputas no Mar da China Meridional.

O TEMP.Periscope é um grupo de “APT” (sigla em inglês para Ameaça Avançada Persistente). São invasores que agem com objetivos específicos e contra alvos direcionados. Eles são diferentes dos criminosos que agem na internet e que visam os internautas em geral.

O grupo vem sendo rastreado desde 2013, mas ficou ocioso após as negociações do ex-presidente norte-americano Barack Obama com o presidente da China Xi Jinping em 2015. Os invasores voltaram à ativa no fim de 2017, com versões atualizadas de suas ferramentas de ataque.

O Mar da China Meridional é uma região disputada. Nele passam anualmente mercadorias avaliadas em bilhões de dólares e acredita-se existir grandes depósitos de gás e petróleo lá. Vietnã, Filipinas, Malásia, Brunei e Taiwan reivindicam algum controle sobre a região, mas a China vem construindo infraestrutura e tentando assumir o controle da área.

Os Estados Unidos voltaram a realizar patrulhas na região em 2007. Os americanos alegam que essa medida visa garantir a “liberdade de navegação”.

De acordo com a empresa de segurança, o tipo de informação buscada pelo TEMP.Periscope permitira a alguém responder perguntas como “qual é o alcance e a eficácia deste sistema de radar marinho?” ou “com quanta precisão um sistema pode detectar e identificar atividades no mar?” Essas informações dariam vantagem em negociações e atividades no Mar da China Meridional.

Além de empresas de engenharia e logística da indústria marítima, o grupo também atacou empresas dos setores de consultoria, alta tecnologia, saúde e imprensa. A maioria das vítimas é dos Estados Unidos, mas algumas também são europeias e uma é de Hong Kong. A empresa não confirma se todas essas empresas chegaram a ser invadidas — apenas que foi possível registrar tentativas de ataque. Também não foi informado o número total de vítimas.

Como outros grupos de APT, o TEMP.Periscope chega às vítimas usando “spear phishing”, ou seja, e-mails direcionados e redigidos especificamente para seus alvos. Esse tipo de mensagem costuma ser bastante convincente e é mais difícil de ser reconhecida como maliciosa. O grupo também tira proveito de brechas para incluir o instalador de vírus em documentos, dando um ar de legitimidade ainda maior para os e-mails.

Uma das ferramentas usadas pelo TEMP.Periscope é chamada de “PHOTO”. Esse vírus é capaz de realizar capturas de tela, gravar vídeo e áudio, listar e finalizar programas em execução, registrar as teclas digitadas, recuperar usuários e senhas em armazenamento protegido e modificar arquivos.

A Future possui as melhores soluções e serviços para manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: G1

Read More

Malware recém-descoberto se esconde em roteadores e espiona internautas

Pesquisadores acabaram de identificar um novo malware que, ao que tudo indica, foi produzido por forças governamentais de algum país para manter um programa de vigilância sobre determinadas regiões. O vírus, que foi batizado internamente como Slingshot, já se escondia há seis anos e possui uma estrutura extremamente complexa e profissional, de acordo com os especialistas que o analisaram. Do ponto de vista técnico e científico, o script é praticamente uma obra de arte do cibercrime.

O mais impressionante é que o Slingshot não infecta o computador, mas sim o roteador, espalhando-se pela rede através desse periférico desprotegido. Através da conexão sem fio, o malware passa a enviar módulos para os PCs que precisam ser espionados, incluindo um pacote que é instalado direto no kernel do sistema operacional e outro que se mantém na camada do usuário. Esses diferentes módulos se comunicam entre si, trocam informações e enviam os dados coletados para o criador do vírus.

Uma vez que tenha tomado controle da máquina, o Slingshot é capaz de registrar praticamente toda e qualquer atividade, incluindo dados da área de transferência, screenshots, logs do teclado, senhas, informações da rede e arquivos guardados em uma mídia USB. Caso seja ameaçado por antivírus ou por uma solução forense, o malware desativa alguns de seus módulos temporariamente, tornando-se invisível — e essa foi a causa da demora para identificá-lo.

Diagrama de funcionamento do Slingshot 

De acordo com a Kaspersky, as mensagens de debug do script malicioso foram escritas em um inglês perfeito, sugerindo que quem o desenvolveu domina tal idioma. A maioria dos roteadores infectados foram encontrados no Quênia e no Iémen, mas também foram identificadas atividades no Afeganistão, na Líbia, no Congo, na Jordânia, na Turquia, no Iraque, no Sudão, na Somália e na Tanzânia.

Fonte: Canaltech

Ataques de ransomware caem 70%, mas ainda trazem riscos

Relatório de ciberameaças elaborado por empresa especializada em segurança da informação, aponta que, ao contrário de previsões de diversos especialistas, ataques de ransomware caíram em 2017: foram 638 milhões em 2016 e, no ano passado, o número ficou em 184 milhões – queda de 71,2%.

Regionalmente, as Américas foram as mais afetadas, recebendo 46% de todas as tentativas de ataque por ransomware em 2017. Por outro lado, a variedade dos ataques por ransomware aumentou em 101,2%, o que, juntamente com o volume de ataques ainda alto, faz com que o ransomware seja uma ameaça predominante, alerta a empresa.

“A ciberguerra afeta cada governo, negócio e pessoa. Ela não pode ser vencida por qualquer um de nós”, alerta CEO de empresa responsável pelo estudo. “Nossos dados e conclusões mais recentes mostram que não param de aumentar uma série de ataques estratégicos. Ao compartilhar inteligência orientada a ações, pretendemos melhorar a postura de segurança contra as ameaças maliciosas e também contra os criminosos de hoje.”

Panorama

Em 2017 mais de 9,32 bilhões ataques por malware foram registrados e mais de 12,5 mil novas vulnerabilidades comuns durante o ano passado.

“Os riscos para a privacidade dos negócios e o crescimento de seus dados crescem a cada dia, principalmente porque a cybersegurança está superando algumas das mais tradicionais preocupações empresariais”, comenta.

Uso de SSL/TLS cresce novamente

O tráfego web criptografado por padrões SSL/TLS registraram salto significativo em 2017, de 24%. Essa mudança vem apontando uma oportunidade para cibercriminosos, que vêm escondendo constantemente ameaças em tráfego criptografado. O tráfego SSL/TLS representou 68% do tráfego total de internet em 2017, aponta o estudo.

A Future possui as melhores soluções e serviços para manter sua empresa sempre segura. Saiba mais clicando aqui.

Fonte: ComputerWorld

Read More

Malware brasileiro ataca bancos e cartões de créditos na América Latina

O malware Prilex, anteriormente relacionado a ataque em caixas eletrônicos no Brasil, foi reinventado por cibercriminosos para atingir vítimas em outros países da América Latina.

Segundo empresa, no Brasil, os criminosos usavam um dispositivo blackbox configurado com um modem USB 4G para controlar remotamente a máquina. Ao abrir um backdoor para o atacante, eles tiveram a possibilidade de sequestrar a conexão sem fio da instituição e controlar outros caixas eletrônicos à vontade.

Com o passar do tempo, o grupo migrou seus esforços para sistemas de pontos de venda desenvolvidos por fornecedores brasileiros usando cartões de crédito roubados que permitiam a criação de um novo totalmente funcional, habilitado inclusive para transações protegidas pelas funcionalidades de chip e senha. Isso permite realizar as transações fraudulentas em qualquer loja, on-line ou off-line.

Um especialista explica que trata-se de um novo tipo de malware que oferece suporte para os criminosos em suas operações, tudo com uma interface gráfica de usuário e modelos bem elaborados para criar diferentes estruturas de cartões de crédito. “Apesar da clonagem de cartões protegidos por PIN já terem sido discutidas no passado, cremos que a ameaça do Prilex e seu modelo de negócios são importantes para serem compartilhados com a comunidade; já que esses ataques estão se tornando cada vez mais fáceis de realizar e a implementação do padrão EMV não conseguiu acompanhar os criminosos”, comenta.

O cartão de crédito clonado funciona em qualquer sistema de ponto de venda no Brasil devido a uma implementação incorreta do padrão EMV (especificação criada pela Europay, MasterCard e Visa, para pagamentos eletrônicos seguros de débito e crédito), em que nem todos os dados são verificados durante o processo de aprovação. Embora esses ataques tenham acontecido no passado, é a primeira vez que um conjunto tão completo de utilitários é encontrado nesse âmbito, ainda mais visando apenas comerciantes brasileiros – até o momento. Todo o processo que envolve desde o roubo da informação até a criação do cartão falso é cuidado pelo Prilex, de forma fácil e direta.

Atualmente, a evidência da investigação indicou que o malware está sendo distribuído por meio de um e-mail convencional, que convence as vítimas a baixar uma atualização de um servidor remoto – na qual é controlada por criminosos. As vítimas tendem a ser lojas tradicionais, como postos de gasolina, supermercados e mercados típicos de varejo; e, todos eles, localizados em diferentes estados do Brasil.

Fonte: Computer World

Hackers roubam ao menos US$ 7 milhões com malware de mineração de criptomoedas

Pesquisadores de empresa identificaram que um grupo hacker ganhou ao menos US$ 7 milhões, em apenas seis meses, com um método sofisticado de infecção para instalar software de mineração de criptomoedas em computadores corporativos.

No total, 2,7 milhões de usuários foram atacados por mineradores mal-intencionados em 2017. O número é aproximadamente 50% maior que o de 2016 (1,87 milhão). Os usuários se tornaram vítimas por conta de adware, jogos e software pirateados usados pelos criminosos virtuais para infectar computadores secretamente. Outra abordagem usada foi a mineração na Web, por meio de um código especial localizado em uma página da Web infectada. O minerador da Web mais usado foi o CoinHive, detectado em muitos sites populares.

Fim do ransomware?

Especialistas observaram que o ransomware está desaparecendo no segundo plano, ao mesmo tempo em que dá lugar aos mineradores. Isso é confirmado pelas estatísticas, que mostram um crescimento constante dos mineradores durante todo o ano, assim como o fato de que grupos de criminosos virtuais estão desenvolvendo seus métodos ativamente e já começaram a usar técnicas mais sofisticadas para propagar software de mineração. Nós já vimos uma evolução como essa; os hackers de ransomware usavam os mesmos truques quando estavam em ascensão.

Criptomoedas em voga

Os altos e baixos do bitcoin mudaram significativamente não apenas a economia mundial, mas também o universo da cibersegurança. Para ganhar valores em criptomoeda, os criminosos começaram a usar softwares de mineração em seus ataques que, como o ransomware, tem um modelo de monetização simples.

Porém, diferentemente do ransomware, eles não prejudicam os usuários de maneira destrutiva, e conseguem ficar no computador por muito tempo sem serem detectados, usando sua capacidade de processamento silenciosamente.

O ataque

Os pesquisadores identificaram um grupo de criminosos virtuais com técnicas de APTs em seu arsenal de ferramentas para infectar usuários com mineradores. Eles têm empregado o método de esvaziamento de processos (“process-hollowing”), normalmente utilizado em malware e já observado em alguns ataques direcionados de agentes de APTs, mas nunca em ataques de mineração.

No ataque, a vítima é enganada a baixar e instalar um software de publicidade que contém o instalador do minerador oculto. Esse instalador traz um utilitário legítimo do Windows cuja finalidade principal é baixar o próprio minerador de um servidor remoto. Após sua execução, um processo legítimo do sistema é iniciado, e o código legítimo desse processo é alterado para o código malicioso. Como resultado, o minerador opera sob o pretexto de uma tarefa legítima, sendo impossível para o usuário reconhecer se há uma infecção de mineração. Também é um desafio para as soluções de segurança detectarem essa ameaça.

Além disso, os mineradores marcam esse novo processo de modo a restringir o cancelamento de qualquer tarefa. Se o usuário tentar interromper o processo, o sistema do computador será reiniciado. Assim, os criminosos asseguram sua presença no sistema por um tempo mais longo e mais produtivo.

Fonte: Computer World

Read More

Receba conteúdos exclusivos