O que é ransomware e como agir após um ataque?

Você sabe o que é o ransomware e como agir após ser vítima desse ataque? Esse questionamento é bastante relevante, pois cada vez mais sistemas e ambientes computacionais têm sofrido com esse tipo de ataque virtual.

Este tipo de malware causa grandes prejuízos, pois restringe o acesso aos softwares, dados e informações. Por esse motivo, esse tópico gera muita preocupação por parte dos profissionais especializados em TI e em segurança da informação.

Pensando na importância desse tema, neste conteúdo explicaremos o que é o ransomware, destacaremos quais são os tipos e informaremos o que você pode fazer após ser vítima de um ataque desse tipo. Acompanhe a seguir.

O que são os malwares?

Antes de explicarmos o que é um ransomware, é fundamental entendermos o que são os malwares para uma melhor compreensão em relação a esse relevante assunto.

Também conhecido como software malicioso, malware é um termo abrangente e refere-se a qualquer programa ou código que pode causar prejuízos a sistemas, servidores ou rede de computadores.

Desse modo, podemos dizer que o malware é qualquer programa feito propositalmente com o objetivo de causar danos aos computadores e diferentes sistemas informatizados.

O que é o ransomware e como ele funciona?

Trata-se de um tipo de malware que impede as pessoas de acessarem sistemas, arquivos pessoais e informações. Nesse caso, quem for vítima do ataque terá que fazer o pagamento do resgate (ransom) para recuperar o acesso aos referidos ativos. Muitas vezes, os autores desse ciberataque exigem que o pagamento seja feito por meio de uma criptomoeda ou mesmo via cartão de crédito.

Nesse momento, é comum surgir a seguinte dúvida: quais são os principais caminhos para o ransomware infectar os computadores? Existem diversas possibilidades. Entre elas estão a utilização de spam malicioso, e-mails com armadilhas em anexo, links para sites maliciosos, etc. E, uma vez dentro de seu ambiente, ele se espalha horizontalmente, infectando os demais dispositivos de sua rede.

Qual a relação entre o Ransomware e o phishing?

O phishing é uma das formas utilizadas pelos cibercriminosos para espalhar um ransomware. Nesse caso, é muito comum ter um e-mail com um código malicioso em um anexo desconhecido na sua caixa de e-mails.

Se for um e-mail phishing, ele será parecido com um legítimo. Nessas situações, as chances dos usuários não perceberem a ameaça e executarem o malware são grandes. Após a execução do arquivo, os programas maliciosos infectam o computador do indivíduo.

Depois do contato inicial com um computador, normalmente o ransomware criptografa seus arquivos. Com isso, os usuários não terão mais acesso aos dados e informações. Quando essa situação acontece, a pessoa recebe uma notificação que suas informações foram sequestradas e continuarão nesse estado até que paguem o resgate solicitado.

Se a pessoa optar por fazer o pagamento, o cibercriminoso se compromete a fornecer uma senha de acesso para o desbloqueio das informações capturadas. Porém, é importante mencionar que não há garantia que essas informações possam ser recuperadas. Por esse motivo, o pagamento não é uma prática recomendada e essa prática pode incentivar que cibercriminosos façam novos ataques e vítimas.

Quais são os tipos de ransomware?

Existem diversos tipos de ransomware e o conhecimento desse tema é fundamental para você esteja melhor preparado, evitando desta forma ser vítima desse ataque. Destacaremos abaixo os tipos mais comuns.

Criptoware

Destacamos anteriormente sobre a criptografia. Nesse tipo de malware, os cibercriminosos criptografam todos os seus dados e impossibilitam o acesso. Para recuperá-los, os invasores solicitam o pagamento de resgate. Porém, essa prática não é recomendada, pois não há nenhuma garantia que os criminosos vão devolver esses arquivos.

Scareware

Ele inclui sistemas de segurança trapaceiros ou fraudes de suporte técnico. Nesse caso, você pode receber uma mensagem alegando que um determinado malware foi descoberto e a única maneira de livrar-se dele seria pagando.

No entanto, caso não faça nada, os seus arquivos continuarão seguros. Vale destacar que nenhum programa de segurança legítimo vai fazer solicitações desse modo. O Scareware, como o nome sugere, é desenvolvido com o intuito de assustar, e levar o usuário a realizar o pagamento.

O que fazer após um ataque de ransomware?

Primeiramente, é importante desconectar o computador da rede e fazer o isolamento de unidades externas (unidade USB, disco rígido etc.) do computador infectado.

Posteriormente, entre em contato imediatamente com um especialista em segurança da informação, pois é o profissional capacitado para resolver esse problema.

Também é uma ótima ideia fazer o backup dos dados, pois essa prática facilita a recuperação das informações. Ter uma rotina periódica de backups é outra medida preventiva nesse contexto.

Por fim, mas não menos importante, é fundamental contar com um antimalware e atualizá-lo de forma periódica. Isso porque, essa prática aperfeiçoa a identificação de programas maliciosos e evita que o sistema seja invadido. Trata-se, portanto, de uma medida preventiva e que visa garantir a segurança da informação de forma geral.

O ransomware gera muitos prejuízos em diferentes sistemas informatizados. Por esse motivo, é muito importante entender como funciona esse ataque e conhecer as medidas a serem tomadas após ser vítima do malware,reduzindo desta forma os prejuízos causados. Desse modo, torna-se possível manter as informações protegidas na sua empresa.

Está com alguma dúvida sobre o que é ransomware e como agir após esse ataque? Entre já em contato com a Future! Veja como podemos ajudá-lo a melhorar a segurança da informação na sua empresa e garantir proteção dos seus sistemas contra ataques de malwares.

Novo mecanismo de detecção de malware baseado em Inteligência Artificial para acelerar a prevenção de ameaças de dia-zero

A Check Point® Software Technologies Ltd. (NASDAQ: CHKP), (NASDAQ: CHKP), fornecedor global líder em soluções de cibersegurança, introduziu um novo mecanismo de detecção de malware baseado em Inteligência Artificial em sua solução de prevenção de ameaças SandBlast Network para permitir uma providência ainda mais rápida e mais precisa contra ataques maliciosos.

O novo mecanismo Malware DNA classifica novas formas de malware em famílias conhecidas, acelerando a capacidade de identificar e bloquear ameaças de dia-zero antes que elas possam causar danos.

O Malware DNA examina cada variante de malware que passa pela solução sandbox Check Point SandBlast Network para encontrar padrões de código e semelhanças comportamentais que correspondem a famílias de malware conhecidas e existentes.

Como a esmagadora maioria dos malwares é criada usando blocos existentes de códigos maliciosos, o Malware DNA acelera a identificação de novos malwares não descobertos e reduz os tempos de resposta para fortalecer ainda mais as posturas de segurança das organizações.

Os processos de Inteligência Artificial e de machine learning do Malware DNA são suportados pela inteligência em milhões de amostras de malware já detectadas pelo ThreatCloud da Check Point, o maior recurso de inteligência contra ameaças do mundo.

O novo mecanismo Malware DNA aumenta os recursos de detecção, inspeção e entrega de conteúdo seguro da SandBlast Network para fornecer proteção completa contra os ataques mais perigosos de dia-zero e direcionados a redes corporativas.

“Para os hackers, a reutilização do código existente, cujo funcionamento já está provado, economiza tempo e esforço; então, a esmagadora maioria do malware é criada dessa maneira. As linhas de código que compõem o malware são o DNA das ciberameaças, e o novo mecanismo Malware DNA permite que o código usado até mesmo em novos malwares seja rapidamente adaptado às famílias de ameaças existentes”, explica Maya Horowitz, chefe do centro de Pesquisa de Inteligência de Ameaças da Check Point.

“Ao rastrear rapidamente as origens de ameaças novas e de dia-zero, os tempos de resposta são acelerados ainda mais, reduzindo drasticamente os riscos para as organizações. O Malware DNA é um ótimo exemplo do foco incansável da Check Point no desenvolvimento e fornecimento das mais avançadas tecnologias de prevenção contra ameaças”.

A SandBlast Network é uma solução completa de prevenção de ameaças à rede. Esta solução detecta malware resistente a evasão para manter as redes das organizações livres de ameaças e garante a segurança do uso de conteúdo compartilhado em toda a organização, maximizando a produtividade dos usuários.

A SandBlast Network é um componente integral da arquitetura de cibersegurança totalmente consolidada da Check Point, a Infinity, que protege todas as particularidades da TI moderna, incluindo a rede, os endpoints (terminais), a nuvem e os dispositivos móveis.

A arquitetura Infinity usa a inteligência de ameaças em tempo real do banco de dados de conhecimento ThreatCloud da Check Point para monitorar continuamente as ameaças em todas as plataformas por meio de um único painel.

O NSS Labs, uma fonte globalmente reconhecida e confiável para testes de cibersegurança independentes, forneceu uma classificação “recomendada” à solução SandBlast da Check Point por detectar 100% de ameaças HTTP e de e-mail e 100% de malware usando sofisticadas técnicas de evasão, sem gerar falsos positivos.

A Check Point recebeu 18 vezes a avaliação de “recomendadas” desde que a NSS Labs começou a testar suas soluções em 2010, validando ainda mais a capacidade da Check Point de proteger as organizações contra os ataques cibernéticos mais avançados.

Com o Malware DNA, todas as empresas conseguem otimizar as técnicas de prevenção e técnicas de deteção, tudo isto enquanto reduz drasticamente o tempo de resposta para sanar as ameaças com inteligência acionável.

Assista ao vídeo clicando aqui.

Sobre a Check Point Software Technologies Ltd.

A Check Point Software Technologies Ltd. é um fornecedor líder em soluções de cibersegurança para governos e empresas privadas globalmente.

As suas soluções protegem os clientes contra ciberataques de 5ª geração (Gen V) com um índice de captura líder de mercado de malware, ransomware e outros tipos de ataques.

A Check Point oferece arquitetura de segurança multinível “Infinity” Total Protection com prevenção de ameaças avançadas Gen V, que protege as informações de nuvem, rede e dispositivos móveis corporativos.

A Check Point fornece o mais abrangente e intuitivo ponto de controle de sistema de gerenciamento de segurança. A Check Point protege mais de 100.000 organizações de todos os portes.

A Future é parceira Check Point! Quer saber mais sobre a solução? Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: CryptoID.

Read More

O que o vazamento de dados da Operação Lava Jato pode ensinar às empresas?

Garantir a proteção dos dados, tanto pessoais, quanto corporativos, é uma preocupação constante. E por bons motivos. Segundo dados da IDC, só no Brasil os ataques de hackers, vírus e ransomwares, entre outras pragas virtuais, geraram cerca de US$ 10 bilhões em prejuízo no ano passado, o que explica o fato de as empresas da América Latina terem aumentado seus investimentos em segurança da informação em 12% no último ano.

O recente vazamento de conversas entre o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro e contatos como o promotor Deltan Dallagnol, entretanto, traz à tona outro viés, muitas vezes, negligenciado pelas empresas: a segurança das comunicações via dispositivos móveis e aplicativos, como WhatsApp e Telegram, protagonistas do caso envolvendo a alta cúpula da Justiça brasileira.

O fato, amplamente noticiado, leva a um debate importante, mas é preciso, antes de tudo, ressaltar que a brecha ocorreu não porque não havia segurança na Operação Lava Jato, mas sim porque os dispositivos corretos não foram utilizados. O então juiz Sérgio Moro não usou o TCS, telefone fornecido pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e dotado de recursos avançados no que tange à privacidade das informações trafegadas. Assim como o presidente da República, Jair Bolsonaro, Moro optou por utilizar outro smartphone em suas comunicações, e, com isso, acabou ficando tão vulnerável à ação de hackers quanto um empresário comum.

Ou seja, não se trata de um ataque realizado a um dispositivo altamente seguro, de um hacker que quebrou controles militares de segurança dos quais civis não disporiam. Trata-se, antes, de autoridades que, apesar de terem à disposição recursos fortes de cibersegurança, optaram por fazer uso de soluções comuns.

Nada que justifique, vamos deixar muito claro que toda invasão é criminosa, errada, e não deveria jamais ser realizada. Isto posto, e sem tomar qualquer viés político, uma lição básica fica clara a partir deste caso: a segurança dos dados vai muito além dos sistemas internos das empresas, atinge a esfera dos dispositivos pessoais ou compreendidos em estratégias BYOD (Bring Your Own Device) e CYOD (Choose Your Own Device), e este é um caminho sem volta.

No caso da Lava Jato, o vazamento envolveu mensagens do Telegram, app russo conhecido por sua criptografia e segurança. Os desenvolvedores do aplicativo chegaram a se pronunciar na imprensa, alegando que não houve qualquer invasão ou ataque hacker sobre o sistema.

Em sua conta no Twitter, o aplicativo Telegram informou que “não há evidência de nenhum hack” no caso e que o mais provável é que o vazamento das conversas tenha se dado “por malware” ou pelo fato de “as pessoas não usarem sistema de verificação em dois passos”.

A explicação do Telegram não chega a ser uma surpresa. Um estudo da Flipside aponta que 58% dos ataques sofridos por empresas brasileiras são causados por falhas humanas, como cliques em malware, não verificação de senhas, uso de senhas fracas, entre outros erros.

É por isso que, além da tecnologia, as empresas também devem investir em políticas e práticas de segurança especializadas e comandadas por profissionais, com vistas a evitar ataques comportamentos de risco que possam ameaçar seus dados, seus clientes e seus negócios.

E quando se fala em gestão profissional de segurança, não se está falando de uma pessoa, especificamente, mas de equipes multidisciplinares, que somem conhecimento para assegurar que, de ponta a ponta, redes, sistemas, dados e operações estejam protegidos. Privacidade, proteção e conformidade de informações passam por um compilado de capacidades e tecnologias para se tornarem, de fato, efetivas.

A proteção de dados precisa se tornar parte da cultura organizacional, o que inclui trazer ferramentas como o WhatsApp e Telegram para dentro da estratégia. Por mais que aplicativos como estes possuam seus sistemas de criptografia, isso de nada adiantará se os usuários forem descuidados na gestão dos dispositivos, clicando em links suspeitos, aceitando contatos desconhecidos ou agindo de “N” outras maneiras que podem abrir a porta para ataques maliciosos cujos resultados nunca serão aprazíveis.

Tecnologia, gestão especializada de segurança, treinamento, adoção de uma cultura voltada à proteção dos dados. Este é o cenário ideal para toda empresa, privada ou pública. A segurança da informação deve estar no cerne das estratégias de negócio e isso vai do data center aos smartphones, sem pular nenhuma etapa, nenhuma pessoa, nenhum equipamento, sistema ou conteúdo.
Não é preciso temer os aplicativos – WhatsApp, Telegram e afins estão aí para facilitar a comunicação, e cumprem esta missão muito bem. Mas é necessário, sim, redobrar o cuidado ao tratar de informações potencialmente críticas. Agir de forma preventiva e contar com um excelente plano de reação, comandado por quem realmente domina o assunto, caso o pior aconteça.

Segurança da informação é compromisso de todos, o tempo inteiro, sem exceção.

A Future possui uma Solução de Conscientização Sobre Segurança da Informação. Para conhecê-la clique aqui!

Fonte: CIO.

Read More

Bancos e seus clientes são alvo de ataques cibernéticos?

Atualmente, os ataques cibernéticos não se concentram apenas nas grandes empresas. O setor bancário e seus clientes não estão excluídos dessas ameaças no mundo digital.

Novos “malwares”, que miram o mercado financeiro surgem cada vez mais sofisticados, colocando em risco as finanças e dados sigilosos dos consumidores.

Existem, por exemplo, aplicativos bancários falsos para dispositivos móveis com interfaces que imitam ser aplicativos bancários originais. No mundo todo, um em cada três consumidores foi vítima de plataformas fraudulentas.

Nestes casos, os cibercriminosos miram os consumidores finais, pois sabem que a maioria das informações confidenciais é armazenada em dispositivos móveis e em computadores pessoais usados para acessar serviços bancários online.

Também consideram esses usuários como pontos fracos, porque geralmente ignoram práticas de segurança que devem ser aplicadas.

De acordo com uma pesquisa da Avast, líder em produtos de segurança digital, globalmente, 58% dos entrevistados foram capazes de identificar que a interface do aplicativo bancário oficial era fraudulenta, enquanto 36% confundiram a interface falsa com a real.

No Brasil, os resultados mostraram que 68% detectaram a interface fraudulenta, enquanto 30% confundiram a falsa com a verdadeira.

A pesquisa mostrou ainda que todos os dias a preocupação do consumidor cresce com relação ao receio dos cibercriminosos roubarem dinheiro de suas contas; ou porque as suas redes sociais podem ser violadas se algum estranho tiver acesso às conversas pessoais.

No mundo, 72% dos entrevistados apontaram a perda financeira como a principal preocupação. No Brasil, 75% dos consumidores revelaram a mesma preocupação, enquanto na Rússia foram 54%.

Luis Corrons, Evangelista de Segurança da Avast, traz algumas dicas para que os consumidores evitem e combatam crimes cibernéticos: “Cuidado com trojans bancários em dispositivos móveis. Esses aplicativos tentam enganar os usuários para fornecerem detalhes de suas contas bancárias, fingindo ser um aplicativo bancário legítimo. Eles imitam uma tela ou geram uma seção genérica, com o logotipo do banco correspondente”, comenta.

Evite armadilhas de phishing

Phishing, ou phishing scam, é uma técnica de engenharia social usada por cibercriminosos para induzir as pessoas a fornecerem informações sigilosas, como detalhes de cartão de crédito e credenciais de login.

O phishing geralmente se apresenta na forma de um e-mail, que parece vir de uma organização legítima, dificultando seu reconhecimento e incluindo um link ou um anexo que direciona o usuário para sites maliciosos, quase idênticos ao site original. Uma vez acessado, o site fraudulento solicita o envio das informações pessoais da vítima.

Senhas: a chave do cofre

O uso de senhas seguras e exclusivas para cada conta e sua alteração regularmente é uma prática importante que os usuários devem levar em conta, para manter suas contas online protegidas, especialmente as bancárias.

“Recomendamos o uso de um gerenciador de senhas, como o Avast Passwords, para gerenciá-las já que a maioria das pessoas tem mais de 20 contas online, dificultando a criação e o registro de senhas seguras e únicas para cada uma das contas”, disse Luis Corrons.

Esses gerenciadores usam criptografia segura e geram senhas fortes para todas as contas. Os usuários não podem se lembrar de senhas tão longas, mas podem alterá-las com facilidade e frequência.

Caso as senhas não sejam alteradas, será difícil detectar violações e roubos de dados, e possibilitará que os cibercriminosos obtenham credenciais de login para cometer fraudes sem que ninguém perceba.

Instalação de uma rede segura

A instalação de um programa antivírus é obrigatório para qualquer dispositivo, mesmo que seja Mac, Windows ou Android. Um antivírus protege os usuários contra ameaças como spyware, ransomware, keyloggers e trojans.

“Independentemente de como as pessoas são cuidadosas, os cibercriminosos sempre encontram novas maneiras de acessar as contas de usuários. O antivírus atua como uma rede de segurança, que protege os dados a qualquer momento e em segundo plano, para que as pessoas possam usar os seus dispositivos sem preocupação”, Corrons esclarece.

Mantenha serviços bancários online em seus próprios dispositivos

“O usuário nunca deve fazer transações financeiras de um computador ou dispositivo móvel que não pertença a ele, pois não há segurança por parte de quem o utilizou no passado e conhecimento sobre o tipo de software em execução. O mesmo pode acontecer com redes Wi-Fi; os usuários devem evitar realizar transações financeiras conectando-se com redes públicas, já que os cibercriminosos podem espionar suas atividades e, se necessário, usá-las. Por isso, deve-se usar uma VPN (Rede Privada Virtual) para realizar operações“.

Protegendo a privacidade do usuário

É preciso prevenir que o cibercriminoso veja o que o usuário está digitando no dispositivo. O Modo Banco do Avast Secure Browser é um recurso de segurança que cria uma sessão isolada, como uma sala privada, para garantir que a digitação não seja registrada e que nenhum espião esteja observando as transações bancárias.

Assim, quando um usuário abre o navegador em um espaço de trabalho isolado, é criado um local seguro para proteger suas senhas, números de cartões de créditos e outros dados pessoais contra malware.

Entre outros recursos de privacidade, o Avast Secure Browser oferece: Modo Stealth, que não salva históricos de navegação dos usuários e elimina cookies de rastreamento ou caches web selecionados numa sessão de navegação; e, adicionalmente, ativa automaticamente o Anti Rastreamento para proteger a privacidade dos usuários, impedindo que os sites controlem as atividades online.

Mantenha-se protegido. Conte com a Future! Somos parceiros dos maiores fabricantes de soluções de segurança, disponibilidade e performance do mundo! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: CryptoID.

Read More

Cibercrime: sua empresa e seus clientes estão em risco!

A afirmação é do especialista em segurança da informação Daniel Niero, diretor de Operações do IT2S Group. Conforme o executivo, o risco é “extremamente real”, e provas disso são compartilhadas diariamente na mídia nacional e internacional.

Como exemplo, ele cita casos como o do ciberataque em escala global, há cerca de um ano, que afetou mais de 200 empresas em diversos países, incluindo o Brasil, e a mega infecção do vírus Petya, responsável por perdas que chegaram a US$ 300 milhões para algumas companhias, conforme o relatório The Global Risks Report 2018.

O diretor ressalta, ainda, que o malware é o tipo de ataque mais caro, chegando a custar US$ 2,6 milhões às empresas, em média, seguido por ataques baseados em web, que chegam a custar US$ 2,3 milhões.

O número de empresas vítimas de ataques de ransomware aumentou 15% em 2018, com expansão de custos de 21% – algo em torno de US$ 650 mil por companhia, em média. Em 2019, o estudo “Cost of Cybercrime”, responsável pelos dados acima, também mostrou aumento nos gastos das empresas com malware (11%) e os chamados insiders maliciosos (15%).

“Os dados mostram diariamente o risco que as organizações de todos os tamanhos correm. A grande pergunta é: por qual motivo elas não investem em segurança, visto que o custo com os ataques pode ser bem maior? Essa é uma resposta simples de analisar: porque as organizações ou não querem investir, ou investem errado”, analisa Niero.

O grande erro, segundo o especialista, é não tratar a segurança como uma necessidade cultural e primordial do negócio.

“Muitos acreditam que não há necessidade de uma consultoria especializada para tratar do assunto, mas o ponto central do problema é que estas mesmas empresas ainda não entenderam a relação custo-benefício: além de toda burocracia trabalhista de contratar alguém para ocupar o cargo e cuidar de toda a segurança da informação, o custo deste tipo de contratação é muito maior do que investir em um terceiro especializado, que terá uma equipe multidisciplinar sem agregar os custos de cada um dos profissionais empregados à gestão de cibersecurity, e ajudará a realmente detectar brechas e traçar planos de contingência inteligentes, além de encontrar rápidas soluções para evitar possíveis catástrofes digitais”, avalia o executivo.

Segundo Niero, é preciso falar mais sobre prevenção – muito mais do que sobre remediação. Deixar a responsabilidade da manutenção da segurança nas mãos certas é, conforme o diretor, o primeiro passo evitar que vazamento ou roubo de dados ocorram.

“Diante disso, fica evidente que as empresas precisam abrir os olhos para dentro de seus processos e compreender de uma vez por todas que desembolsar dinheiro para proteger dados não é gasto, é investimento essencial a curto, médio e longo prazo”, finaliza.

Mantenha sua empresa e seus clientes protegidos! Conte com a Future! Nossos especialistas são certificados juntos aos maiores fabricantes de soluções de segurança, disponibilidade e performance do mundo! Conheça nossas Soluções clicando aqui!

Fonte: InforChannel.

Read More

3 principais malwares que rondaram dispositivos móveis em abril

O Índice Global de Ameaças referente ao mês de abril de 2019, da Check Point Research, revelou que o trojan bancário Trickbot retornou ao ranking do índice entre os dez primeiros malwares, pela primeira vez em quase dois anos.

Enquanto as três variantes de malware mais comuns de abril foram os criptomineradores, os sete restantes dos Top 10 foram os trojans bancários de múltiplos alvos. Isso destaca a mudança de tática adotada pelos cibercriminosos para maximizar o retorno financeiro das campanhas, após o fechamento de vários serviços populares de criptografia e o declínio nos valores de criptomoeda no último ano.

Segundo o relatório, os três principais programas maliciosos mais procurados em abril de 2019 foram:

1. Cryptoloot

Criptominerador que usa o poder de CPU ou GPU (processador gráfico) da vítima e os recursos existentes para a criptomineração, adicionando transações ao blockchain e liberando nova moeda. Originalmente é um concorrente do Coinhive, oferecendo uma porcentagem menor de receita de sites.

2. XMRig

Software de mineração de CPU de código aberto usado para o processo de mineração da criptomoeda do Monero e visto pela primeira vez, em tempo real, em maio de 2017.

3. Jsecoin

Minerador deJavaScript que pode ser incorporado em sites. Com o JSEcoin, é possível executar o minerador diretamente no navegador em troca de uma experiência sem anúncios, moeda do jogo e outros incentivos.

Em abril, o Triada foi o malware móvel mais predominante, substituindo o Hiddad em primeiro lugar na lista Top 10 de malware. O Lootor permaneceu em segundo lugar, e o Hiddad caiu para terceiro.

Os três principais malwares para dispositivos móveis de abril

1. Triada

Backdoor modular para Android que concede privilégios de superusuário ao malware baixado, ajudando a incorporar-se aos processos do sistema. O Triada também foi visto falsificando URLs carregados no navegador.

2. Lotoor

Ferramenta hack que explora vulnerabilidades no sistema operacional Android, a fim de obter privilégios de root em dispositivos móveis comprometidos.

3. Hiddad

Malware Android que reempacota aplicativos legítimos e os lança em uma loja de terceiros. Sua principal função é exibir anúncios, mas também é capaz de obter acesso aos principais detalhes de segurança incorporados ao sistema operacional, permitindo que um atacante obtenha dados confidenciais do usuário.

Os pesquisadores da Check Point também analisaram as vulnerabilidades cibernéticas mais exploradas. O OpenSSL TLS DTLS HeartbeatInformationDisclosure é a vulnerabilidade mais popular explorada com um impacto global de 44% das organizações em todo o mundo. Pela primeira vez após 12 meses, o CVE-2017-7269 caiu do primeiro para o segundo lugar, impactando 40% das organizações, seguido pelo CVE-2017-5638 com um impacto global de 38%.

As três vulnerabilidades mais exploradas de abril

1. OpenSSL TLS DTLS HeartbeatInformationDisclosure (CVE-2014-0160; CVE-2014-0346)

Existe uma vulnerabilidade de divulgação de informações no OpenSSL. A vulnerabilidade é devida a um erro ao manipular pacotes de heartbeat do TLS/DTLS. Um atacante pode aproveitar essa vulnerabilidade para divulgar o conteúdo da memória de um cliente ou servidor conectado.

2. Microsoft IIS WebDAVScStoragePathFromUrl Buffer Overflow (CVE-2017-7269)

Enviando uma solicitação criada em uma rede para o Microsoft Windows Server 2003 R2 por meio do Microsoft Internet Information Services 6.0, um atacante remoto pode executar código arbitrário ou causar uma negação de condições de serviço no servidor de destino. Isso se deve principalmente a uma vulnerabilidade de estouro de buffer resultante da validação inadequada de um cabeçalho longo na solicitação HTTP.

3. Apache Struts2 Content-Type Remote CodeExecution (CVE-2017-5638)

Existe uma vulnerabilidade de execução remota de código no Apache Struts2 usando o analisador multipartes Jakarta. Um atacante pode explorar esta vulnerabilidade enviando um tipo de conteúdo inválido como parte de uma solicitação de upload de arquivo. A exploração bem-sucedida pode resultar na execução de código arbitrário no sistema afetado.

O Mapa de Ameaças por país exibe o índice de risco globalmente (verde – baixo risco, vermelho – alto risco, cinza – dados insuficientes), demonstrando as principais áreas de risco e pontos críticos de malware em todo o mundo. Em abril, o Brasil está na posição 86ª no ranking com 53,0% de risco, em um total de 149 países na lista.

Mantenha-se protegido, conte com a Future! Somos parceiros dos maiores fabricantes de soluções de segurança, disponibilidade e performance do mundo! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: CIO.

Read More

Cuidado com os (muitos) perigos da era digital

Um software malicioso ou malware (termo que é a junção das palavras malicious e software, adotado em 1990 por Yisrael Radai, pioneiro do combate aos vírus de computador), é uma espécie de programa cuja missão é se infiltrar em um dispositivo (seja ele um desktop, notebook, laptop ou smartphone) e gerar algum tipo de dor de cabeça ao usuário.

Por dor de cabeça me refiro, basicamente, a roubo de dados, bloqueio parcial ou total do equipamento infectado ou cancelamento de prerrogativa de acesso aos administradores de um sistema, para citar alguns exemplos. Mas há uma coleção gigantesca de opções, cada vez mais numerosas, até porque a imaginação dos hackers parece mesmo ser infinita.

Um novo tipo de malware “nasce” a cada 8 segundos no mundo (até porque assistimos à revolução do mobile e, com ela, à proliferação desenfreada de malwares dedicados exclusivamente aos smartphones). As ameaças digitais se transformaram em uma preocupação gigantesca tanto para usuários domésticos quanto para empresas. Para estas últimas, os prejuízos podem chegar a US$ 359 bilhões por ano, segundo a BSA The Software Alliance, defensora global do setor de software.

Por isso, toda atenção é pouca por parte do usuário final e dos administradores de redes. De acordo com pesquisa recente da Kaspersky Lab, uma das maiores empresas antivírus do mundo, os cinco métodos mais comuns de propagação dos malwares são os seguintes:

1. Pela internet

Você pode deixar seu computador vulnerável ao visitar um site que contém um código malicioso, por exemplo. Casos comuns nos últimos anos são os ataques drive-by (quando um usuário visita um site comprometido desde um dispositivo Android e seu navegador inicia o download de um aplicativo automaticamente). Também é transmitido quando aplicativos maliciosos disfarçados de softwares ou arquivos normais são baixados por meio de uma rede descentralizada (por exemplo, através de um torrent).

2. Por e-mail

O malware pode estar no corpo da mensagem ou no arquivo anexado. Quando você abre esses e-mails ou faz o download do arquivo, a “infecção” acontece. Além disso, o e-mail é a maior fonte de outra praga digital, o phishing (mensagens que buscam enganar os usuários e levá-los a revelar informações pessoais, como senhas e informações bancárias).

3. Por causa das vulnerabilidades do software

Também chamadas de “furos” ou “exploits”, facilitam o acesso ao equipamento remotamente, o que permite ao cibercriminoso gerenciar seus dados, recursos da rede local e outras fontes de informação.

4. Por meio de drives USB, CDs, cartões SD

Malwares podem se hospedar nesses tipos de dispositivos físicos. Ao executar algum arquivo malicioso localizado em uma mídia removível, ele é capaz de distribuir vírus para todas as unidades de uma rede de computadores e até mesmo excluir os dados dessa rede.

5. Por culpa dos próprios usuários

Às vezes, nós mesmos podemos instalar aplicativos que parecem seguros, mas que, na verdade, infectam o sistema do seu computador ou smartphone. Esse método é chamado de “engenharia social”, já que os criadores de vírus fazem com que a vítima hospede o vírus por conta própria.

Entre os tipos mais comuns de malware, destaque para o adware, que insere anúncios indesejados durante a navegação para que seu “criador” obtenha lucro. Outro é o spyware, que consiste em um programa automático de computador que recolhe informações sobre o usuário e seus costumes na Internet e os transmite para uma entidade externa na Internet, sem o conhecimento e consentimento desse usuário.

O mais popular, entretanto, ainda é o vírus anexado a arquivos executáveis, que precisa da ativação do usuário. Ele é capaz de modificar ou excluir dados do dispositivo. Seu avatar mais conhecido é o Cavalo de Troia (Trojan), que se apresenta como um programa aparentemente legítimo e inofensivo – e que pode vir escondido em arquivos não executáveis, como imagens ou áudios. Sua missão é permitir que o invasor tenha acesso remoto ao computador infectado.

E, por fim, existem os worms. Diferentemente dos vírus, os worms não precisam de ajuda humana para se propagar: eles infectam uma vez e, depois, usam a rede disponível para atingir outras máquinas, via vulnerabilidades do sistema, como pontos fracos nos programas de e-mail, por exemplo. Embora muitos worms apenas “consumam” recursos da rede, reduzindo seu desempenho, muitos deles contêm “cargas” maliciosas criadas para roubar ou excluir arquivos.

Agora, faça as contas: um malware criado a cada 8 segundos significa mais de 10 mil ameaças virtuais novas por dia. Todos os dias. É ou não é mais do que o suficiente para você se dedicar a manter o seu equipamento sempre saudável?

Mantenha-se protegido! Conte com a Future!!! Somos parceiros dos maiores fabricantes de Soluções de Segurança, Disponibilidade e Performance do mundo! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: CIO.

Read More

Malware afeta apps de bancos brasileiros

Um novo tipo de malware tem afetado aplicativos de grandes bancos brasileiros. A Diebold Nixford, fornecedora de tecnologia que atua sobretudo no desenvolvimento de camadas de segurança para internet banking e mobile banking, detectou o primeiro ataque de malware via RAT (Remote Access Trojan) para dispositivos móveis no Brasil.

Segundo a empresa, o malware realiza fraudes financeiras, e se utiliza de uma técnica em que o atacante navega e realiza as transações diretamente no dispositivo móvel do usuário (apenas Android) sem qualquer necessidade de interação física com o aparelho.

A Diebold Nixford informa que o malware já foi identificado nos apps de grandes bancos no Brasil e, até esta semana, já foram detectadas mais de 20 mil instalações do malware no país.

Como funciona o ataque

A empresa explica que, neste tipo de ataque, o fraudador tem como principal objetivo se passar pelo cliente e realizar transações eletrônicas nas instituições financeiras enquanto o usuário não está com a atenção voltada ao dispositivo. Todo processo de navegação, autenticação e inserção das transações acontece sem qualquer interação física do aparelho, de forma remota e controlada pelo atacante.

Ainda, o malware possibilita uma visualização e controle total do dispositivo da vítima por meio de permissão de acessibilidade, concedida pelo usuário no momento da instalação do aplicativo. Uma vez com a permissão, o malware concede a si mesmo outras permissões necessárias para executar as demais tarefas a qual se propõe, inclusive a própria senha de desbloqueio do aparelho.

Proteja-se contra ataques de malware! A Future é parceira dos maiores fabricantes de Soluções de Segurança, Disponibilidade e Performance do mundo! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: ComputerWorld.

Read More

Vírus ainda é a forma mais frequente de malware na nuvem

Proteger arquivos que residem na nuvem é um desafio para as empresas hoje em dia. Para apoiar as organizações nessa tarefa, identificamos, por meio do Netskope Threat Research Labs, as principais ameaças na nuvem, para fornecermos uma série de dicas para proteção imediata.

De fato, a nuvem é um vetor de ataque relativamente novo para hackers e criadores de malware. Nesse contexto, as empresas buscam soluções de segurança que atenuem os pontos cegos na nuvem, incluindo a atividade realizada por acessos feitos fora da rede ou pela conexão de dispositivos pessoais.

Vírus, uma ameaça que permanece relevante

A conclusão da pesquisa aponta que o virus é o tipo de malware mais frequente nos dias de hoje e, com downloaders e Trojans, afeta usuários de negócios de diferentes setores (financeiro, varejo, saúde, construção ou tecnologias). Em suas mais diversas versões, o malware escolhe várias aplicações na nuvem, como o Google Drive, Box, Dropbox, entre outras, para se esconder.

Como resultado dessa tendência, e dado que esse tipo de malware busca se espalhar localmente por meio da análise de rede, os usuários corporativos podem optar por segmentar suas redes LAN para conter a disseminação de vírus. Da mesma forma, todos os downloads e compartilhamentos de arquivos devem ser suportados por mecanismos de identificação de ameaças, com capacidade de análise.

No entanto, é importante entender que mesmo os processos de segmentação mais rigorosos na rede de uma organização podem ser contornados pelo malware que percorre o cloud hopping (termo em inglês para a migração de dados em nuvens públicas e privadas).

O malware que infecta computadores pode persistir de forma indefinida em todos os sistemas de limpeza e infectar os colaboradores dentro da organização, apesar das redes segmentadas. Como resultado, as infecções se espalham para organizações associadas, impactando a responsabilidade e comprometendo a reputação da empresa.

O importante papel do usuário

Os usuários são os proprietários dos arquivos nos processos de carregamento e descarregamento na nuvem. Por esse motivo, e considerando que as aplicações de armazenamento em nuvem regularmente sincronizam os arquivos do local de trabalho do usuário, fica fácil realizar um download involuntário de malware da Internet na estação de trabalho.

Em casos como esse, a maioria das infecções provém de um pequeno número de usuários. A alta concentração de malware nesses assuntos pode ser uma consequência do uso de estações de trabalho sem patches ou da exposição frequente de redes desprotegidas. Tudo isso ressalta a necessidade de melhor aplicação das políticas de segurança nas organizações.

Para restringir a disseminação das infecções na nuvem, os usuários devem suspeitar do alcance das mesmas, enquanto os administradores de rede podem segmentar grupos de usuários para que o compartilhamento de arquivos entre eles seja limitado.

Para obter um resultado realmente efetivo, tanto usuários quanto organizações devem ter mais cuidado na maneira como compartilham arquivos, enquanto ainda precisam criar redes seguras para baixar conteúdo da nuvem, já que esses ataques direcionados, bem como os APTs, são capazes de comprometer as redes a partir de acessos involuntários a aplicações na nuvem.

Mantenha-se protegido! A Future é parceira dos maiores fabricantes de Soluções de Segurança, Disponibilidade e Performance do mundo! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: ComputerWorld.

Read More

Check Point: Cryptojacker KingMiner promete marcar 2019

Graças à popularidade das criptomoedas, os cibercriminosos esforçam-se cada vez mais para invadir os computadores das vítimas através de ferramentas de criptojacking.

KingMiner é um novo malware dirigido à criptomoeda Monero, para servidores Windows, que promete ter um grande impacto durante 2019. Este malware foi detectado pela primeira vez em meados de Junho de 2018.

Os cibercriminosos especializados em criptomoeda já não estão interessados apenas em roubar as informações bancárias dos seus proprietários. Hoje em dia qualquer dispositivo revela-se atrativo para os ciberatacantes.

A Check Point recomenda a todos os utilizadores e empresas a adoção de alguns processos e ferramentas para conseguir uma proteção efetiva contra o novo malware:

1. Instalar as últimas atualizações de firmware é sempre recomendável e pode ajudar a prevenir muitos tipos de ataques, entre eles o criptojacking. Infelizmente, manter todos os equipamentos atualizados é algo difícil para muitas empresas. Além disso os batches não garantem a proteção contra ataques provenientes de vulnerabilidades desconhecidas ou zero-day.

2. Os sistemas de prevenção de invasões (IPS) criam uma camada de batches virtuais que se estendem a todos os sistemas, servidores e endpoints da organização. Um IPS efetivo conseguirá evitar a maioria dos ataques de criptojacking, através do bloqueio das tentativas de exploração dos seus sistemas. Este é capaz de defender a organização contra todas as técnicas utilizadas pelos cibercriminosos.

3. Os cibercriminosos gostam especialmente de atacar os servidores cloud. Uma vez que o malware miner utiliza toda a potência disponível, a plataforma na cloud gerará mais, automaticamente, o que permitirá que o ataque tome grandes proporções, às custas das suas vítimas que verão aumentadas as suas faturas de serviços cloud.

A indústria do criptojacking não mostra, definitivamente, sinais de abrandamento e 2019 promete ser um ano crítico no que diz respeito a este tipo de ataques.

Quer se proteger contra malwares? A Future é parceira Check Point e de outros grandes fabricantes de Soluções de Segurança, Disponibilidade e Performance do mundo! Preencha o formulário abaixo e entre em contato conosco.

Fonte: PC Guia Portugal.

Read More

Segurança nas empresas: como fortalecer pontos fracos?

De acordo com dados da Safetica 80% dos negócios passaram por incidentes de segurança no último ano, a pesquisa mostra ainda que o custo médio de um vazamento de dados fica em torno de US$ 4 milhões.

Um dos maiores desafios de segurança nas empresas é conhecer quais áreas precisam de mais ou melhor proteção. Não há um manual, nem mesmo um modelo que sirva para todas. Proteger seu negócio tem relação direta com prestar atenção a possíveis de vazamento de dados e potenciais brechas para ataques.

Para identificar estes elos, é fundamental ter o auxílio de uma empresa especializada em segurança cibernética, que irá perceber quais soluções podem proteger cada empresa, de acordo com seu setor e porte. No entanto, há alguns sinais que qualquer empresa pode perceber com uma rápida análise, antes mesmo de contratar soluções cibernéticas. Assim, já estará mais protegida enquanto busca e seleciona a medida adequada de segurança para os seus negócios.

Em um ambiente corporativo, o elo mais fraco é o ser humano. Usar a sua equipe como aliado na luta contra o cibercrime pode ser vital. De acordo com a PwC, um total de 40% das empresas não treinam seus colaboradores para prevenir incidentes de segurança. Esse é um erro que não pode ser cometido. As companhias precisam se dar conta de que a educação é uma ferramenta para ensinar aos profissionais sobre as atuais ameaças e como se propagam. Isso pode fazer a diferença entre o usuário que clica em uma campanha de phishing, por exemplo, e o que não o faz.

É necessário ter em mente ainda que boa parte dos dados de uma empresa são altamente sensíveis. Por exemplo, o histórico completo de cada colaborador ou os dados de cartões de crédito de clientes, contratos de serviços, faturamento da empresa, entre outros aspectos extremamente estratégicos.

Quando ocorre um vazamento de dados, muitas vezes isso pode sim ser por um erro humano, mas em outros momentos pode ocorrer devido a colaboradores mal-intencionados. Por isso é fundamental ter soluções de segurança instaladas, que auxiliem a identificação e contenção de potenciais problemas, além do monitoramento da atividade dos colaboradores, evitando que informações estratégicas saiam da empresa desnecessariamente.

Pesquisa da Cisco mostra que 47% das pessoas compartilham informações corporativas confidenciais fora da empresa, e nesse número não estão incluídas apenas as pessoas que fazem isso com más intenções, mas também as que fazem por desconhecer os perigos. Por isso, é importante restringir o acesso a dados sensíveis a quem realmente precisa dentro de uma companhia, com logins e senhas de acesso, de forma que as informações continuem protegidas. Aqui volto a mencionar também a questão do treinamento e conscientização dos trabalhadores como aspecto crucial para manutenção da segurança.

Em caso de política BYOD ou de trabalho remoto, os dispositivos móveis devem ser um ponto de atenção, tendo políticas específicas para cuidar dos dados que são transmitidos ou armazenados neles. Um caso ficou bastante conhecido nos EUA, em que o Department of Veterans Affairs (Departamento de Veteranos do Exército Americano) foi vítima de vazamento de informações por conta de um notebook ter sido perdido por um colaborador. Nestes casos, conscientização sobre cuidados com o equipamento e uma senha forte podem salvar a reputação de sua empresa.

É fácil ler tudo isso e pensar que proteger seu negócio é complicado e caro. Em alguns casos realmente pode ser, mas um aspecto une todos esses cuidados: a conscientização do colaborador, que pode salvar o seu negócio.

Quem acredita que vai economizar dinheiro ao não investir no uso de soluções de segurança da informação e ações de conscientização dos colaboradores, pode não estar percebendo que será questão de tempo até que essa economia se torne infundada e termine custando muito mais que do que acredita ter economizado. Erros humanos, ransomware, phishing ou malwares estão por toda a parte e a conscientização disso é o primeiro passo para proteger os elos mais fracos dentro de uma empresa.

Fortaleça a segurança na sua empresa. Conte com a Future! Somos parceiros dos maiores fabricantes de segurança, disponibilidade e performance do mundo! Clique aqui e entre em contato conosco.

Fonte: IT Forum 365.

Read More

Receba conteúdos exclusivos